sexta-feira, 16 de maio de 2008

Velharias (2)

Esta foi de uma altura em que dávamos uns passeios fixes. Andar aí pelos cus de Judas a fumar charros e tirar fotografias, parar em tascos ao calhas... Bonito, era muito. Não sei porque não foi mais divertido.


*


Ah, a bela Coimbra e seus
arredores...


Passear, fumar charros (ou não) em locais ermos (ou não), tirar fotografias onde e quando calha...


Kundera, na sua Insustentável Leveza do Ser, adverte-nos (de mansinho) que as férias só duram dois anos. É mentira.


Continuamos cínicos e desocupados...


A páginas tantas, assim fala no seu diário o quinto Hauberk de uma Novela de Huxley: Meia dúzia de pensées em meia dúzia de anos. Neste passo, se eu quiser encher um volume, terei de sobreviver aos patriarcas. Lastimo a minha preguiça, mas consolo-me em pensar que os meus semelhantes são demasiado desprezíveis para que eu perca o meu tempo a instruí-los ou entretê-los.

Grande atitude, palavras sábias.


Posto isto, meus queridos, até um dia destes.


*


Meus queridos, até um dia destes.