segunda-feira, 21 de julho de 2008

Marqués de Cáceres — Reserva '2000

Encontrei este há tempos. O Guía Peñín atribuiu-lhe 90 pontos e Thomas Matthews, para a Wine Spectator, a 31 de Março de 2006, comentou:

Black cherry, tobacco and licorice flavors mingle in this firm red. The tannins are a bit obtrusive, but should balance with food. A solid wine with good typicity. Drink now through 2009. 12,000 cases imported. Score: 88.

Cor granada. Mostra um nariz intenso, cheio de bagas frescas, doces, muito doces, acompanhadas de intensa madeira: doce baunilha, algo que lembra verniz, um pouco de couro, algum tabaco... O corpo, mediano, está muito suave. A fruta, consentânea com o que se passa no nariz, tenta espremer-se por entre as madeiras, estas mais acres: torrados, seivas, especiarias. Porém, aqui estranhei algo. Os taninos surgem fracos, em défice em relação à acidez, deixando transparecer uma impressão de certa aspereza acídula, mas sem largura, sem densidade, como se o vinho já tivesse atingido o seu auge e agora estivesse a começar a perder corpo.

Ainda tem interesse, mas estava à espera de mais. Este Reserva vai morrer com nove, dez anos?!

Custou 16€.

15,5