quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Adega de Pegões — Colheita Selecionada '2004

Já há algum tempo que não se fala de vinho por aqui. E não é que não se tenha bebido; pura e simplesmente, ando preguiçoso.

Um dos vinhos que me passou pelas goelas nos últimos dias foi este «quatro castas» das Terras do Sado. Não é novidade nenhuma, toda a gente sabe que é um vinho de boa estrutura e razoável complexidade, cheiinho para o preço e por isso um bom negócio, e de vez em quando bebo um, sendo que até já tinha escrito sobre ele antes. Simplesmente, desta vez tentei compreendê-lo um pouco mais. Digo, dele juntei uma nota de prova ao caderninho negro do álcool, e uma foto coisas que por algum motivo nunca tinha feito.

Do rótulo, tira-se, entre outras coisas, que é vinho feito de Cabernet Sauvignon, Syrah, Touriga Nacional e Trincadeira, que estagiou durante um ano em meias pipas de carvalho francês e americano, que tem 13,5% v/v de álcool, que foi feito pelos senhores da Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões, que têm uma página web aqui e que dizem que este vinho envelhece bem durante 10 anos.

Então... mais uma vez mostrou aromas de boa intensidade, com fruta preta madura — sobretudo damasco — e alguma madeira resinosa muito bem casados, um toque de casca de laranja cristalizada, uma ou outra nota de cabedal e a acidez a fazer lembrar vinagrete de menta. Na boca, cheia de madeira e com uma ou outra especiaria, surge sempre bem seco — com isto quero dizer que, embora de carácter marcadamente maduro, esta não é, contudo, uma madurez doce, gulosa — e bem dimensionado, cheio mas não pesado, equilibrado, de final resinoso e não muito longo.

Não é um vinhaço, falta-lhe algo para o ser, mas não tanto assim. De novo, 16