terça-feira, 19 de agosto de 2008

Maria Mansa '2002

Duriense (DOC) da Quinta do Noval, produzido com base nas castas Aragonês, Touriga Franca e Tinta Barroca.

Cor rubi, já a fugir para o granada. Aroma com traços de evolução, onde à fruta, ainda bem presente, se juntam notas de cabedal, pimenta, chá verde, madeira velha... Na boca mostra-se correcto, fresco e saboroso, com a fruta a surgir abafada mas densa, sempre com notas de couro e especiarias. Interessante que, mesmo bebido no dia seguinte a ter sido aberto, não lhe encontrei ponta de oxidação. O final, achei-o discreto.

Por vezes um bocadinho abrutalhado, vai melhor com comida puxada. Foi um sonho a acompanhar uns naquitos de frango apimentados e regados com Tabasco. É um vinho que revela a idade que tem. Embora não lhe note juventude, também não me pareceu que tenha ganho grande coisa com os anos. É capaz de ainda aguentar mais uns tempos, mas...

Custou cerca de 6€ — aproveitando uma promoção — sendo que o preço habitual ronda os 10€. Para o que custou, é porreiro. Para o que costuma custar, está carote.

15