segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Ana Vieira Pinto (Borba) '2007

Tinto alentejano — DOC — produzido a partir daquele que é, muito provavelmente, a combinação mais característica da região — Aragonês, Trincadeira e Alicante Bouschet.

Antes de tudo o mais, nota positiva para o rótulo, muito bonito.


Cor a fugir para o granada, pouco concentrada.

No ataque, mostrou aquilo a que costumo chamar «podrum alentejano» — um aroma muito maduro a frutos vários, tomado por um ácido-doce característico que me faz sempre lembrar cascas de laranja de alguma forma transformadas a suportar as predominantes uvas e demais frutos pretos, sobretudo ameixas. O arejamento trouxe mais frutos pretos, um pouco ácidos, e levou quase tudo o resto. Ficaram para trás umas raspas de caramelo e mel, um chapisco de vanilina e uma presença alcoólica considerável para os módicos 13º deste vinho. Notei-lhe ainda, logo desde que o abri, um tracito de Xerez a denunciar ligeira oxidação.

Passou ligeirinho e discreto pela boca, simples e suave, um pouco abafado e muito fácil de beber. Mais vegetal que frutado — porventura sem grande consentaneidade com o nariz — não o encontrei muito expressivo.

Não tem nenhum defeito evidente. Vai muito melhor com comida que sozinho. Se tivesse de o descrever de forma muito, muito sucinta, di-lo-ia regular — nada de particularmente interessante...

Custou à volta de 3€.

13