quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Quinta do Crasto '2007

Este tinto DOC vem da Quinta do Crasto, uma das mais antigas do Douro — as suas primeiras referências remontam a 1615!

Foram utilizadas na sua elaboração uvas das castas Aragonês, Tinta Barroca, Touriga Franca e Touriga Nacional. Não estagiou em madeira. Engarrafaram-se 450000 garrafas de 75cl.

Ficha técnica, aqui.

Interessante a cor, um violeta escuro que não se vê assim tanto.

Bebendo-o, pareceu-me um vinho simples e equilibrado. Tanto no nariz como na boca, predomina a fruta, fresca, densa e francamente gostosa. Muitas (mas mesmo muitas) cerejas pretas perfeitamente maduras e com caroço, algumas amoras, algumas bagas e pouco mais. Um bocadinho de cacau, outro de esteva seca, talvez sugestões xistosas... tudo na medida certa.

É daqueles vinhos sumarentos — este possui certa ligeira untuosidade que ajuda à ideia — que oferecem pouco mas bom e que, acima de tudo, escorregam maravilhosamente com comida.

Continuasse a adjectivá-lo, di-lo-ia elegante, equilibrado... por aí.

A meu ver (e que vale tal coisa?!), está para o Douro como este para o Alentejo.

Custou 9€.

16


Amanhã vamos postar coisas diferentes. Origami e isso...

Ah, e o blog já não é surdo. Vêem o endereço de email que juntei ali à barrita lateral? Ali ao fundo, heh? Qualquer coisinha, digam.