domingo, 8 de fevereiro de 2009

Herdade do Esporão — Reserva '2001

Lote de Trincadeira, Aragonês e Cabernet Sauvignon, vinificadas em estreme. Estagiou em carvalho americano. Levou 89 pontos da Wine Spectator em 2004. Página do produtor, aqui. Cor muito bonita, rubi escuro, mas a virar granada na orla do copo. Nariz intenso, firme e bastante denso. Levantado um aroma inicial a fazer lembrar queijo azul, surgiu muito cabedal e fruto negro, ainda fresco e doce. E especiarias e notas de tosta. Ao fundo, despontavam notas de frutos secos. Com o tempo no copo, levantou-se uma cortina de fumo acacauzado, ainda mais notória na prova de boca. Corpo denso, sóbrio e equilibrado, apesar dos 14,5% de álcool. Final razoável. A ideia que estes «Reserva» do Esporão me deixam é a de serem vinhos bastante potentes, frutados e encorpados, ideados para um consumo imediato, ou quase, assim que saem para o mercado. E que, quando envelhecidos, embora possam manter algumas boas características da juventude — a densidade do nariz, a generosidade do corpo . . . — e ganhar alguma finura, nunca adquirem bouquets espectaculares. Também se nota não serem vinhos para durar muito mais de 10 anos . . . Mesmo assim, apostaria que este ainda tem, pelo menos, 4 anitos pela frente. Gostei muito dele a acompanhar um — bem . . . na verdade, quase dois :\ — filet mignon flamejado. Custou 28€ — um preço razoável . . . Pena a resistência do empregado de mesa ao pedido de um decantador . . . tive de falar três vezes, estava a ver que era preciso fazer-lhe mal, lol. Inadmissível num quatro estrelas. Foi aqui. 16,5