segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Redoma '2004

Retaste. Ainda outro! Embora o seu sucessor não me tenha impressionado por aí além, talvez tal tenha acontecido, acima de tudo, por não conseguir evitar comparações com este. Cor rubi, intensa, ainda sem sinais de evolução. Nariz jovem, fresco, profundo, complexo, elegantemente estratificado. Frutos de bago, vermelhos e pretos. Esteva, rabo-de-gato e outras ervas vadias, secas. Cedro, pinho. Discreto etanol desamarrado. Ao fundo, um pouco de fumo. A boca continua dominada pela frescura. Bastante fruta, mas que não explode, antes se vai mostrando, bem madura e sempre fresca. Uma ou outra passa, nada de compotas. Acidez contida, refrescante. Mineral frio e limpo por toda a parte. E não sendo muito encorpado, tudo na estrutura deste vinho irradia vitalidade — estou em crer que por causa daquela rede elástica, finamente entretecida, de taninos fortes mas finos, persistentes, que enchem a boca. Final longo e quase sumarento, moderado por notas de cacau amargo, tosta, sugestões de grafite em pó, um tanino ou outro que ainda insiste em mostrar-se mais durito de vez em quando... Vai envelhecer com beleza, e não vejo porque não há-de durar 10 anos ou mais. Aliás, adoro este vinho. Costumo bebê-lo a acompanhar carne de vaca grelhada só com sal, e esta vez não foi excepção. Ficha técnica, aqui.

25€.

18