segunda-feira, 30 de março de 2009

Quinta de Foz de Arouce '2005

Oriundo de não muito longe da Lousã — a designação de origem é «Vinho Regional Beiras» —, este tinto consiste num lote de uvas das castas Baga e Touriga Nacional, sujeitas a desengace total e fermentadas em cubas de inox (com maceração pós-fermentativa), tendo o vinho daí resultante estagiado durante seis meses em meias pipas de carvalho francês e português de primeiro e segundo ano. O produtor tem página web e fornece uma ficha técnica deste vinho aqui. Pena não ter a loja da adega sempre aberta: sempre ajudava a trazer uns souvenirs dos passeios que muitas vezes damos ao bonito parque de pique-niques que fica lá perto (na praia fluvial da Bogueira) — o lugar perfeito para fumar umas ganzas; tem baloiços e tudo!


Do vinho propriamente dito, para ser breve, não desgostei.

O aroma está compostinho, com flores, fruta (preta) e acidez — entre outras, consegui descortinar umas sugestões engraçadas de romã, por exemplo —, tudo bastante fresco e contido no que à doçura toca. Também se lhe nota sem qualquer esforço alguma tosta de barrica. Na boca, não é um vinho propriamente fácil. Destaco-lhe, aliás, a acidez pronunciada — para além do limite do puramente fresco, por assim dizer — e os taninos a precisarem de tempo. Também o toque terroso... O final é mediano em intensidade e persistência. Com a comida certa — vou falar disso no próximo post —, pode dar a ideia de ser bastante elegante. A solo, infelizmente, pareceu-me um pouco vazio.

Custou 12,50€.

15,5