quarta-feira, 29 de abril de 2009

O Post do Aniversário

Anteontem, dia 27, o blogue fez um ano — apercebi-me agora.

Como é da praxe fazer-se uma espécie de balanço anual nesta coisa dos blogues e eu não quero armar-me em diferente porque tenho medo de ser posto de parte — :P — aí ficam umas linhas sobre o assunto.

Ora bem:

Em um ano (e dois dias), foram aqui colocadas notas a respeito de 204 garrafas diferentes.

Globalmente, não desgostei delas — a maioria levou com números algures entre os 15 e os 16,5 — e fico bastante satisfeito ao constatar que a quantidade de garrafas que considerei «mais ou menos» é aproximadamente igual à daquelas que me deixaram realmente satisfeito — as que achei que valiam 17 valores ou mais.

O baixo número de flops publicados não constitui surpresa, sobretudo porque me abstive de colocar aqui notas de prova de garrafas estragadas

[e isto, que me lembre, inclui casos de TCA (que eu tenha topado), de vinho madeirizado e cozido, de fermentações mal acabadas que acabaram por terminar dentro da garrafa, transmitindo agulha ao vinho e dando-lhe um sabor bem medíocre — lembro-me muito particularmente de certa garrafa de «Vila Branca» que vinha assim — ... e vinhos pura e simplesmente mortos...]

não só porque não vejo que interesse poderia tal prosa ter para o leitor, mas também pelo imperdoável desperdício de latim, tempo e paciência que implicaria. Também aqui não coloquei as minhas impressões acerca de garrafas que não tenha podido verter com a concentração que exige uma prova que se quer minimamente séria, e tão-pouco garrafas que apenas tenha provado de fugida — porque não acredito que um copo mal cheio, e às vezes nem isso, seja o suficiente para nos dar uma ideia fiel do sumo que temos diante de nós. Preciso de tempo, de mais que apenas um copo, para me entender com determinado vinho. A meu ver, menos que isso é contra-natura — se fazer vinho é um processo moroso e custoso, um trabalho de generosidade e paciência, para quê ter pressa em e a bebê-lo? Claro que há quem discorde, quem tenha de discordar. Mas essas são outras realidades.

Seguindo em frente, o meu favorito deste ano que passou foi o belo Pintas '2003, a que não resisti dar uns gordos 19 valores, seguido mais ou menos de perto por quatro vinhos que me mereceram 18,5 — Alión '1996, Duas Quintas «Reserva» '2004, Marqués de Murrieta «Reserva» '2001 e Mouchão '1998. Todos tintos. Dos brancos, e note-se que aqui comecei a escrever sobre eles há relativamente pouco tempo, pelo que a amostra disponível é reduzida, o que mais me impressionou foi o Alvarinho Soalheiro '2008 (17 val.), seguido de perto pelo interessante Munda '2006 (16,5). Quanto a generosos, o ano foi fraquito — fiquei-me quase exclusivamente pelos Porto (para efeitos de blogue, o «quase» anterior desaparece) e, mesmo assim, nada de realmente extraordinário. Os melhorezitos, dois Vintage novos: Quinta das Tecedeiras '2004 (17) e Quinta do Infantado '2003 (16,5). Mais ou menos ao nível deste último, pelo menos no prazer proporcionado, o LBV das Tecedeiras, colheita de 2001.

Como este b'og não só de vinho trata, há ainda que notar o seguinte:

As receitinhas são o que são... uma ou outra experiência, uma ou outra invenção, uma ou outra adaptação. E noto com prazer que as ditas têm vindo a melhorar, embora a mais apreciada pelas «outras pessoas» tenha sido, sem dúvida, a de um certo bolo de coco. As receitinhas continuarão a ser uma das traves mestras deste blogue, dado que o Puto é, acima de tudo, um diário de comeres & beberes.

Xadrez... gosto, gosto muito, embora às vezes farte. Apesar de não existirem planos para que os posts acerca do dito deixem de ser esporádicos, penso que este ano vai haver mais xadrez por estas bandas.

Frames e notas... continuarão. Sem compromisso, quando apetecer, mas pela certa. Embora muitas vezes seja levado a pensar que, provavelmente, sou a única pessoa que ouve e vê as postitas mais multimédia do blogue. É pena, mas vocês é que perdem. ;)

Bocadinhos de livros... embora cativem tanto o interesse alheio como os de filmes e discos, já prometi a mim próprio que vão haver muitos mais. O Puto lê qualquer coisa (embora não exagere, lol) e tem gostado q.b. de algumas das coisas que tem lido.

Maquilhagem... há planos, há planos... O cantinho da S. não está esquecido.

Fotografias... quando sairmos e acharmos que não tem mal partilhar! :)

E quanto às «velharias»... bem, dessas há cada vez menos. A ver se se recupera mais alguma coisa que ande por aí perdida. Se não... é a vida.

Para terminar, que longo vai o testamento, acho importante realçar que:

1. Neste ano de blogue posso não ter feito amigos online (nem off- haha!), mas conheci e interagi com uma data de gente com interesses afins e alguns deles não só aparentam ser pessoas bastante interessantes como também — e isso ainda é mais importante (ou é ao contrário?) — porreiras q.b.. Para o ano... acho que vou continuar sem fazer amigos, mas espero que o número de conhecidos fixes continue a aumentar.

2. Por incrível que possa parecer, aprendi bastante graças a este blogue. Serviu de estímulo para procurar muitas coisas novas — algumas delas, fascinantes. Ah, claro, o meu muito obrigado a quem se pôs a jeito para que eu pudesse sugar conhecimento. :P

3. Os números: no último ano, o blogue teve 15877 single hits, a que corresponderam 31695 page views.

4. Este é um espaço pessoal. Sem pretensões expansionistas — chamemos-lhes assim. Quem lhas inventar com vista a poder atacar melhor alguma opinião aqui colocada... pode bem foder-se e ir morrer para um canto. Não? :)

Até ao próximo post.