terça-feira, 28 de abril de 2009

Quinta das Verdelhas — Touriga Franca '2005

Reparo agora que já não ponho uma nota de prova há muito tempo — olhando para os últimos posts, até parece que deixei de beber...

Um dos vinhos destes últimos dias foi este varietal Touriga Franca, oriundo de uma quinta de solos xistosos localizada no Douro Superior, pertença da CARM — Casa Agrícola Roboredo Madeira.

Em jeito de curiosidade, numa das páginas web do produtor, pode ler-se acerca desta quinta que «das vinhas da CARM esta será porventura a implantada em solos mais pedregosos tendo até sido necessário, aquando da plantação, trazer terra de outras quintas para a plantação dos bacelos».

É ainda de notar que, se sobre esta quinta se pode ler algo nos redutos virtuais do produtor, o mesmo não acontece com os vinhos que nela são produzidos. Deixando para trás aquelas ideias mais incómodas, porquês à volta de parentes pobres e outros que tais, digamos apenas que é pena.

Garrafa de rótulo simples e limpo, razoavelmente informativo. Sobre o estágio em barrica pelo qual este vinho obviamente passou, nem uma palavra. Rolha técnica de qualidade aceitável.

O vinho foi servido a 16ºC, não tendo sido decantado. Cor granada avermelhada, de intensidade e opacidade medianas. Trouxe consigo cheiros a frutos vermelhos bem maduros, alguns — poucos — dos quais também em compota, almíscar, óleo de copaíba, xarope de ácer e resina doce — leia-se velha, isto é, semi-podre — de pinheiro. Tudo misturado, com ligeiras sensações amanteigadas, torradas e ensanguentadas pelo meio. Bastante saboroso, com a madeira a fazer-se notar mais na boca que no nariz. Acidez mediana; ténue quentura alcoólica. Taninos macios; final satisfatório. Enfim, não brilha, mas também não é nada mau.

Custou pouco mais de 5€.

15