domingo, 7 de junho de 2009

Herdade do Meio — Garrafeira '2004

Ainda outro tinto da Casa Agrícola João & António Pombo, de Portel (distrito de Évora).

Consiste num lote de Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet e Castelão, estagiado em barricas de carvalho francês e americano durante 12 meses.

Comprei-o depois de o de 2003 me ter deixado francamente bem impressionado.

Rubi retinto. Fechado, com o nariz a surgir dominado por notas terrosas e amadeiradas. Terra seca. Mato seco. Tosta de barrica. Fumo. Também nuances químicas, com recordações de alcatrão e graxa. Borralha quente. Tudo denso, a sugerir austeridade, solenidade, peso. Fruta, pouca. Ginja e ameixa, sobretudo.

Corpo espesso, de taninos longos e firmes. Viscoso, sem que isso signifique propriamente untuoso. Ou capitoso, dado que a sua estrutura é tal que consegue integrar na perfeição 14% de álcool e trivializar por completo qualquer manifestação de acidez. E se isto pode servir de mote para nos encher de fé quanto ao seu futuro, para já traz um contra: fá-lo parecer um pouco chocho, às vezes. Termina bastante longo.

Encontrei-o menos fechado ao segundo dia. Menos químico, menos terroso, mais frutado. Com a acidez a mostrar-se um bocadinho mais. Mas também com certo toque de oxidação a amargar um pouco a fruta na boca.

Decante-se duas horitas antes de se levar para a mesa, mas o facto é que para vinhos como este, só mesmo o tempo...

Custou 20€.

16,5