quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Quinta do Gradil (Branco) '2006

Mais um do universo Dão Sul. Mais especificamente, da Martim Joanes Gradil — Sociedade Vitivinícola, Lda.. Feito a partir de Arinto, Chardonnay e Vital.

Cor palha. Aroma intenso, cítrico por natureza, mas de fachada madura, com nuances florais e amanteigadas e ligeiro aborrachado. Ainda se lhe descortinam notas (abaunilhadas) da madeira (francesa e nova) onde estagiou, mas é preciso ir à procura delas. Pelo menos comigo foi assim. Enfim, isto para dizer que proporcionou uma boa prova de nariz, com bastante intensidade e complexidade e envolvência e essas coisas todas (ok, quase) que os livros dizem que é bom um vinho mostrar, mas, ainda mais importante, com... sei lá, humanidade? (Vou chamar-lhe humanidade), certa capacidade que certos néctares têm de tocar pessoalmente quem os toma, união feliz que não raras vezes acaba por significar alegria depois de alegria, ondas (tubos) felizes que duram (pelo menos) até à dor de cabeça da manhã seguinte. Boca de textura voluptuosa, com a doçura prometida pelo nariz a surgir felizmente contida. Acidez dispersa, mas refrescante. De novo, certo travo cítrico persistente. Alma?! Final satisfatório. Vinho porreiro.

10€.

16