segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Terras do Suão — Reserva '2001

Produzido pela Cooperativa Agrícola de Granja. Terroir interessante,
(exclua-se talvez o factor humano)
(e isto só nos últimos dez anos)
(ou assim).

Desta co-op, se os «Granja-Amareleja» parecem ter o condão de me agradar sempre muito, o facto é que ainda não encontrei um «Terras do Suão» que me enchesse as medidas. Mas continuo a comprá-los! Tenho algures por aí (como se não soubesse onde está; para cúmulo escrevo-o já a pensar em pôr o link ali mais adiante) uma nota de prova da edição de 2003 (não reserva) deste mesmo vinho.

Ora este 2001 revelou-se simples mas coeso: cor granada e aromas essencialmente compotados, mas também com vagas sugestões especiadas e um muito tangível toque de café. Evolução acacauzada com a exposição. Corpo mediano, macio e bem proporcionado, curto mas de sabor agradável — agradavelmente seco, mas sem que se possa dizer que esteja já a secar. Uns primeiros sinais de fadiga, talvez. Que, junto com não ter vivido até ao segundo dia, me indicam não ser má ideia bebê-lo ASAP.

Outra coisa em que não pude deixar de reparar é que quem vende estes TdS, pede por eles o que lhe apetece. Quais coberturas de despesas, margens de lucro, qual contar com diferentes quantidades de intermediários do produtor até cada distinto ponto de venda? Nah. Há coisas que não podem ser. Se não, vejamos: Comprei o 2003 de que falo no início deste post por cerca de 7€ (num Jumbo). Pouco depois, venho a encontrá-lo à venda num Intermarché próximo daqui... só que a mais de 30€!

E esta garrafa, comprada no Pingo Doce, custou apenas 4€. Alguma alma caridosa me diz a que preço costumam sair estes meninos da adega?

14,5