sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Pavement — Brighten the Corners



#2, Shady Lane.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Quinta do Cardo — Colheita Seleccionada '2003

Depois destes — link, link, link, outro exemplar do produtor de Figueira de Castelo Rodrigo. Vinificado a partir de Touriga Nacional e Tinta Roriz, estagiou durante 10 meses em barricas de carvalho francês.

Primeiro sobressai vegetal verde, de folha, seco, de carácter indiferenciado, junto com tostados e fumados de barrica. Depois, fruta generosa, negra, com toque de carne crua. E pinho, cedro, baunilha e lagar. Nunca chega a ser uma festa para o olfacto, mas satisfaz bem. A boca, de sabor agradavelmente austero, apresenta volume mediano, boa acidez e ligeira aresta. Torna-se mais expressiva com o passar do tempo, mais sumarenta, com a madeira como que a deslizar para o lugar certo. O final é seco.

Bebemo-lo com lomo adobado.

5€.

16

"Pic unrelated"

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Quinta do Infantado — Porto Tawny

Sem data de colheita ou engarrafamento. 19,5% vol. Cor rubi, algo acastanhada. Aroma correcto e até sugestivo, com passas e frutos secos em bom equilíbrio. Caramelo e xerez completam o conjunto. Na boca é fino e o álcool não o marca em demasia. Ligeirito, mas glicerinado q.b., de final aceitável tanto em comprimento como em intensidade. Pena certas notas de fruta pouco boa, vagas sugestões de oxidação, ou talvez, melhor dizendo, decomposição doce, que sugerem "impuro" a quem as cheira. Não fora isto, seria um vinho porreiro.

Foi acompanhando várias coisas, de bombons a bolo de noz, nunca tendo brilhado nem desiludido. Por assim dizer, mais um.

6€.

14,5

domingo, 26 de dezembro de 2010

Quinta da Costa das Aguaneiras — Vintage '2006

Depois deste e deste, mais um Porto da Casa de Mateus.

.
.

Aroma intenso a frutos pretos, ricos e sumarentos, sobretudo amora, mas também berry milk shake, fumo e folha de amoreira seca. Na boca segue o registo taninoso e relativamente encorpado dos LBV da casa. Comparado com o último provado, difere pelo cheiro menos doce, menos em passa, bem como pelo sabor mais seco e sério, por assim dizer, mais limpo. É um vinho jovem, sem grande complexidade ou profundidade, mas, como todo e qualquer Vintage, sempre interessante.

Embora tenha acompanhado bem várias sobremesas com chocolate, acho que gostei mais dele a solo. O preço de venda ao público rondará os 20€.

16

sábado, 25 de dezembro de 2010

Quinta da Alameda — Reserva '2001

De acordo com o contra-rótulo, resultou da vinificação em lagares tradicionais de uvas das castas Touriga Nacional, Jaen, Alfrocheiro e Tinta Roriz. Estagiou em inox e foi vedado com rolha de borracha.

Cor granada, com anel rosado, esmaecida pela idade. Nariz assente em fruta, fortemente transformada. Fruta em rebuçado, fina, acompanhada de massas de pastelaria, doces, e curioso almiscarado animal, não reminiscente de pêlo ou fezes, como é mais comum, antes dos odores segregados pelas glândulas sexuais de certos pequenos mamíferos do género Cavia. Na boca não desagrada. Continua presente, embora polido ao máximo. Frágil. Surpreende por, de alguma forma, ainda estar vivo. Talvez seja da acidez, extremamente bem colocada. Sol de pouca dura, no entanto. Duas horas depois de aberto, entrou em retrocesso. Morreu pouco depois. Quem ainda tiver, que o beba. 14, se tanto. 5€.

Bénédiction




Lorsque, par un décret des puissances suprêmes,
Le Poète apparaît en ce monde ennuyé,
Sa mère épouvantée et pleine de blasphèmes
Crispe ses poings vers Dieu, qui la prend en pitié:
— «Ah! que n'ai-je mis bas tout un noeud de vipères,
Plutôt que de nourrir cette dérision!
Maudite soit la nuit aux plaisirs éphémères
Où mon ventre a conçu mon expiation!
Puisque tu m'as choisie entre toutes les femmes
Pour être le dégoût de mon triste mari,
Et que je ne puis pas rejeter dans les flammes,
Comme un billet d'amour, ce monstre rabougri,
Je ferai rejaillir ta haine qui m'accable
Sur l'instrument maudit de tes méchancetés,
Et je tordrai si bien cet arbre misérable,
Qu'il ne pourra pousser ses boutons empestés!»
Elle ravale ainsi l'écume de sa haine,
Et, ne comprenant pas les desseins éternels,
Elle-même prépare au fond de la Géhenne
Les bûchers consacrés aux crimes maternels.
Pourtant, sous la tutelle invisible d'un Ange,
L'Enfant déshérité s'enivre de soleil
Et dans tout ce qu'il boit et dans tout ce qu'il mange
Retrouve l'ambroisie et le nectar vermeil.
II joue avec le vent, cause avec le nuage,
Et s'enivre en chantant du chemin de la croix;
Et l'Esprit qui le suit dans son pèlerinage
Pleure de le voir gai comme un oiseau des bois.
Tous ceux qu'il veut aimer l'observent avec crainte,
Ou bien, s'enhardissant de sa tranquillité,
Cherchent à qui saura lui tirer une plainte,
Et font sur lui l'essai de leur férocité.
Dans le pain et le vin destinés à sa bouche
Ils mêlent de la cendre avec d'impurs crachats;
Avec hypocrisie ils jettent ce qu'il touche,
Et s'accusent d'avoir mis leurs pieds dans ses pas.
Sa femme va criant sur les places publiques:
«Puisqu'il me trouve assez belle pour m'adorer,
Je ferai le métier des idoles antiques,
Et comme elles je veux me faire redorer;
Et je me soûlerai de nard, d'encens, de myrrhe,
De génuflexions, de viandes et de vins,
Pour savoir si je puis dans un coeur qui m'admire
Usurper en riant les hommages divins!
Et, quand je m'ennuierai de ces farces impies,
Je poserai sur lui ma frêle et forte main;
Et mes ongles, pareils aux ongles des harpies,
Sauront jusqu'à son coeur se frayer un chemin.
Comme un tout jeune oiseau qui tremble et qui palpite,
J'arracherai ce coeur tout rouge de son sein,
Et, pour rassasier ma bête favorite
Je le lui jetterai par terre avec dédain!»
Vers le Ciel, où son oeil voit un trône splendide,
Le Poète serein lève ses bras pieux
Et les vastes éclairs de son esprit lucide
Lui dérobent l'aspect des peuples furieux:
— «Soyez béni, mon Dieu, qui donnez la souffrance
Comme un divin remède à nos impuretés
Et comme la meilleure et la plus pure essence
Qui prépare les forts aux saintes voluptés!
Je sais que vous gardez une place au Poète
Dans les rangs bienheureux des saintes Légions,
Et que vous l'invitez à l'éternelle fête
Des Trônes, des Vertus, des Dominations.
Je sais que la douleur est la noblesse unique
Où ne mordront jamais la terre et les enfers,
Et qu'il faut pour tresser ma couronne mystique
Imposer tous les temps et tous les univers.
Mais les bijoux perdus de l'antique Palmyre,
Les métaux inconnus, les perles de la mer,
Par votre main montés, ne pourraient pas suffire
A ce beau diadème éblouissant et clair;
Car il ne sera fait que de pure lumière,
Puisée au foyer saint des rayons primitifs,
Et dont les yeux mortels, dans leur splendeur entière,
Ne sont que des miroirs obscurcis et plaintifs!»



Benediction


When by an edict of the powers supreme
A poet's born into this world's drab space,
His mother starts, in horror, to blaspheme
Clenching her fists at God, who grants her grace.
«Would that a nest of vipers I'd aborted
Rather than this absurd abomination.
Cursed be the night of pleasures vainly sported
On which my womb conceived my expiation.
Since of all women I am picked by You
To be my Mate's aversion and his shame:
And since I cannot, like a billet-doux,
Consign this stunted monster to the flame,
I'll turn the hatred, which You load on me,
On the curst tool through which You work your spite,
And twist and stunt this miserable tree
Until it cannot burgeon for the blight.»
She swallows down the white froth of her ire
And, knowing naught of schemes that are sublime,
Deep in Gehenna, starts to lay the pyre
That's consecrated to maternal crime.
Yet with an unseen Angel for protector
The outcast waif grows drunken with the sun,
And finds ambrosia, too, and rosy nectar
In all he eats or drinks, suspecting none.
He sings upon his Via Crucis, plays
With winds, and with the clouds exchanges words:
The Spirit following his pilgrim-ways
Weeps to behold him gayer than the birds.
Those he would love avoid him as in fear,
Or, growing bold to see one so resigned,
Compete to draw from him a cry or tear,
And test on him the fierceness of their kind.
In food or drink that's destined for his taste
They mix saliva foul with cinders black,
Drop what he's touched with hypocrite distaste,
And blame themselves for walking in his track.
His wife goes crying in the public way
— «Since fair enough he finds me to adore,
The part of ancient idols I will play
And gild myself with coats of molten ore.
I will get drunk on incense, myrrh, and nard,
On genuflexions, meat, and beady wine,
Out of his crazed and wondering regard,
I'll laugh to steal prerogatives divine.
When by such impious farces bored at length,
I'll place my frail strong hand on him, and start,
With nails like those of harpies in their strength,
To plough myself a pathway to his heart.
Like a young bird that trembles palpitating,
I'll wrench his heart, all crimson, from his chest,
And to my favourite beast, his hunger sating,
Will fling it in the gutter with a jest.»
Skyward, to where he sees a Throne blaze splendid,
The pious Poet lifts his arms on high,
And the vast lightnings of his soul extended
Blot out the crowds and tumults from his eye.
«Blessed be You, O God, who give us pain,
As cure for our impurity and wrong —
Essence that primes the stalwart to sustain
Seraphic raptures that were else too strong.
I know that for the Poet You've a post,
Where the blest Legions take their ranks and stations,
Invited to the revels with the host
Of Virtues, Powers, and Thrones, and Dominations
That grief's the sole nobility, I know it,
Where neither Earth nor Hell can make attacks,
And that, to deck my mystic crown of poet,
All times and universes paid their tax.
But all the gems from old Palmyra lost,
The ores unmixed, the pearls of the abyss,
Set by Your hand, could not suffice the cost
Of such a blazing diadem as this.
Because it will be only made of light,
Drawn from the hearth of the essential rays,
To which our mortal eyes, when burning bright,
Are but the tarnished mirrors that they glaze.»

Charles Baudelaire, 1857. Trad. de Roy Campbell, 1952. Il. de Carlos Schwabe, 1900.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Poeira '2005

Do contra-rótulo: Não quis ficar na rudeza da sua terra e procurou na fineza o seu próprio carácter. O autor, Jorge Moreira, tem presença na internet. Proveniente de uma típica vinha velha duriense, com várias castas misturadas, foi vinificado em lagares de pedra e estagiou durante 16 meses em barricas de carvalho francês, 30% das quais, novas.

Intenso, ou melhor, opulento, cheio de frutos silvestres vermelhos e negros, a par com ligeiro fumado e especiarias. Fragrante e saboroso, é neste momento um vinho gordo mas simultaneamente tenso, senhor de uma notável estrutura de taninos doces, equilibrada por excelente acidez. Tudo nele está bem medido, mas não lhe vou chamar elegante: seria cair num lugar-comum. O final, longo, é seco e mineral — e ainda assim consegue trazer consigo sugestões de caramelo de leite. Sem mais delongas, este vinho está uma delícia, sendo perfeitamente possível que ainda venha a melhorar.

30€.

18

Guadalupe — Selection '2005

Mais um da Quinta do Quetzal — Vila de Frades, Vidigueira. Proveniente de cepas Trincadeira, Aragonês e Alicante Bouschet implantadas em solos xistosos, fermentou durante 5/6 dias em cuba de inox, tendo depois estagiado por 8 meses em barricas de carvalho francês e americano.

Mostrou-se razoavelmente intenso, quente apesar da acidez aceitável, sem grande corpo ou persistência. Algo desengonçado, apesar do sabor consentâneo com o cheiro, e ainda assim alegremente seco: segundo o meu gosto, talvez aqui resida a sua maior virtude.

Começou um pouco abafado, com ameixa e madeira, caramelos de nata e azeitona preta. Com o ar, mais ameixa, sóbria, bonita, madura mas não demasiado doce, misturada com vago toque carnoso, a fazer lembrar carne cozida, à Cabernet.

Depois, ginja em compota, rica, a madeira apenas a compor. Cacau, especiarias quentes, uma ou outra nota de oxidação. Já a noite ia longa quando começou a decair, mas o resto que guardei não chegou com vida ao segundo dia.

Terá sido melhor em novo, ou há dois anos atrás.

6€.

15

domingo, 19 de dezembro de 2010

Quinta da Costa das Aguaneiras — LBV '2004

Epílogo: Luz pálida, tons esbranquiçados que se diluem no negrume do féretro. Silêncio quase absoluto, apenas cortado por alguns grunhidos quase imperceptíveis. E meus, o que torna tudo mais estranho.

Ajoelho-me no chão do quarto — acabei de jantar; apanho agora os restos de comida que deixei cair fora do tabuleiro. Imagino a tristeza da migalha pequenina, abandonada no chão, ao ver a sua irmã maior ser devorada, o que me enche de pena, pelo que apanho e como todos os restos que sou capaz de recolher.

Após uma breve pausa, debruço-me debaixo da cama.

Tenho andado sem tempo para publicar aqui. Ainda por cima, tenho-me sentido oco q.b., e não me lembro de que o vazio criativo alguma vez me tenha transportado para algures onde valesse a pena estar. E, sinceramente, já nem me importo. No entanto, como tenho medo de deixar isto morrer se me habituar a não vir cá, aqui fica mais do mesmo, mais um de uma já razoavelmente longa lista de bons vinhos que poderei vir a publicar. Foi engarrafado em Dezembro de 2008.

Tem o perfil do do post anterior, apenas um pouco mais circunspecto. No nariz, a fruta característica do género: ameixa e outros frutos negros, maduros, um pouco pesados, álcool, flores, framboesa e cacau. Na boca é agradavelmente austero, firme, tenso e denso, algo taninoso, com um amargor residual que cai bem.

Gostei mais dele com Brie que com chocolate.

15,5

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

:B

Farewell my friend, farewell;
My dearest one, you're in my heart.
The predetermined parting from above,
Will reunite us later and we'll never part.

Farewell, my friend, don't speak, don't shake my hand;
Please don't despair and don't frown your brow,
To perish in this life is nothing novel,
Although to live, of course, is also nothing new.

Sergei Yesenin, 1925
(trad. por Yuri Stepanenko)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Quinta da Costa das Aguaneiras — LBV '2003

Engarrafado em Dezembro de 2007 por Fernando Albuquerque — Casa de Mateus, Vila Real. Desde já, uma palavra de agradecimento, tanto ao proprietário como ao enólogo da casa, José Carlos Fernandes, pelas amostras enviadas e pelo simpático convite que me dirigiram para visitar as suas instalações.

Provado a 16ºC. Intenso, embora um pouco fechado. Após longo arejamento, trouxe consigo intensos cheiros a fruta, uva, sobretudo passas doces. Claro que também lhe detectei flores, grafite e algo vagamente balsâmico, ou talvez almiscarado, mas o facto é que me pareceu cheirar essencialmente a uva nas suas mais variadas formas, desde as já referidas passas a, e isto posteriormente, em jeito de experiência, em balão muito largo, grape artificial, adorável MA?, aquele aroma típico das canetas perfumadas de que as pitas gostam — as do meu tempo, pelo menos, gostavam. Troncudo e taninoso na boca, mostrou força, o que é bom. O final, sem brilhar, não destoou.

Gostei. Fez companhia a brownies, a versão que acompanhou uma entrevista dada por Katharine Hepburn ao The Ladies' Home Journal de Agosto de 1975, "Kate Hepburn, My Life and Loves", com gelado de baunilha e um filmezito, mesmo antes de ir para a cama, para promover sonhos bonitos: C'est Arrivé Près de Chez Vous.

Fica a transcrição da receita, não vá a página desaparecer. Para 9 brownies: 8 tbsp. unsalted butter,plus more for greasing; 2 oz. unsweetened chocolate; 1 cup sugar; 2 eggs, beaten; 1⁄2 tsp. vanilla extract; 1 cup roughly chopped walnuts; 1⁄4 cup flour; 1⁄4 tsp. fine salt;

Heat oven to 325°. Grease an 8" x 8" baking pan with butter. Line the pan with parchment paper; grease the paper. Set the pan aside. Melt the butter and the chocolate together in a 2-quart saucepan over low heat, stirring constantly with a wooden spoon. Remove the pan from heat and stir in the sugar. Add the eggs and vanilla and stir to make a smooth batter. Add the walnuts, flour, and salt; stir until incorporated. Pour the batter into the baking pan and spread evenly. Bake until a toothpick inserted into the center comes out clean, 40–45 minutes. Let cool on a rack. Cut and serve.

16

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Magna Carta — Reserva '2008

Alentejano das Caves Velhas (Grupo Enoport), feito a partir das castas Syrah, Aragonês e Alicante Bouschet. Estagiou 9 meses em barricas de carvalho francês. Ficha técnica, aqui.

Rubi, bem escuro. Bastante sugestivo no nariz, com frutos negros muito maduros e em compota, ameixa, cereja e amora, complementados por especiarias quentes, algo como uma mistura de cravinho com noz moscada. Na boca é razoavelmente concentrado e equilibrado, talvez um pouco cálido, apesar da boa acidez. Pena estar tão marcado pela madeira e não dar garantias de poder vir a durar o suficiente para que ela se integre como seria de desejar, enfim.

Bebi-o com galinha assada.

6€.

15

domingo, 12 de dezembro de 2010

Quinta do Infantado '2008

Foi vinificado em lagar e engarrafado, sem filtração, em Maio de 2010, após estágio em cuba e barricas de carvalho — o contra-rótulo indica que permaneceu dez meses nestas últimas: para apurar o tempo passado em inox, bastará fazer as contas. Abri a garrafa nº 19604 de 29807 (e 202 magnum) produzidas.

Morangos e framboesas, sangue, carne, pêlo, almíscar, resina, fumo. Madeira inequívoca, mas bem medida. Flores, bergamota e limão em segundo plano, após algum arejamento. Este vinho cheira, de facto, muito bem. Na boca é vivo e seco, de intensidade, peso e persistência apenas medianos, e ainda um pouco duro, mas em bom equilíbrio. Surgiu como que mais maduro, mais tourigão ao segundo dia, com reminiscências terrosas e de químicos aromáticos. Nada oxidado. Por isto, fará sentido ir acompanhando a sua evolução na próxima meia dúzia de anos. Antes do costumário par "preço / numerozinho da qualidade", restará dizer que gostei muito mais deste que do de 2006.

8,50€.

16,5

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

OCTOBER 1ST, 1987 DAY OFF

Van Nuys, noon

Home sweet home... just woke up. Flew in from Salt Lake last night... Robbin flew with us and Tom stayed then drove back home. The flight was smooth and the sky so gorgeous. Our pilot would tip the plane to the left and you could see the stars so clear that we even saw a shooting star. Then he would tip to the right and you could see the arc of the Earth with spotted lights from little suburbs as we were getting close to LA. It feels like an electric tomb... I sometimes wonder if I will ever get out of here alive...

Karen has gone to stay with a friend while I’m back home–says she feels weird being here while I'm here as well but I wish she would stick around. It might stop me from going crazy.


1:30 p.m.

Abdul has a friend who sells rock. I had an oz cooked up and brought over – it will be here in a while.

I'm depressed, and I don't know why. I can't get outta this place in my head. I can’t shake it off. Drugs make it better – drugs make it worse. Every time I’m gonna stop I get the itch...

3:45 p.m.

Oh my God – as soon as I got the rock and hit the pipe I thought my heart was gonna jump outta my chest. The whole house started shaking, rolling and shit was falling off the walls. It threw me on the ground and I realized we were having a fucking earthquake.

I didn't know what to do so I ran outside, pipe in hand, and the door locked itself behind me. I was naked and had to run around the back of the house and break the window to get in. Then the alarm went off, and the security company called. Days like this I wish I didn't get out of bed...

5 p.m.

Flushed the coke in case there is another quake. I don't think my heart can take it. I took a few pills and I'm starting to get tired. We have a show in San Diego and I don't want any chance to get more coke. I'm gonna go play my guitar and lay in bed till I fall out.

IAN GITTINS: The Los Angeles earthquake of October 1, 1987, measured 5.9 on the Richter scale. It killed eight people, injured scores more, and left 2,200 people homeless and more than 10,000 buildings badly damaged. However, Nikki Sixx was by far the most infamous Los Angeleno to react to the quake by running out of his house butt-naked and waving a crack pipe.


Nikki Sixx: The Heroin Diaries – A Year in the Life of a Shattered Rock Star, Poket Books, 2007.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Quinta da Falorca — Touriga Nacional '2002

Mais um vinho do Dão, este de Silgueiros. Relevo para o produtor e para o ano de colheita, que tantos dizem mau. Monocasta Touriga Nacional, foi engarrafado em Fevereiro de 2004, após estagiar 12 meses em barricas novas de carvalho francês e americano. Abri a garrafa nº2764 de 6674 produzidas.

Granada escuro, mas longe de retinto. Terroso e especiado após meia hora de arejamento em decantador, mostrou-se rico em cheiros a violetas e frutos silvestres, vermelhos e negros, doces, gulosos, talvez ligeiramente confeitados, muito apelativos. Com o passar do tempo, novas sugestões. Primeiro azeitona parda, lagar, café. Depois, e sobretudo ao segundo dia, fruta muito fina, ainda mais bonita que nas primeiras horas de abertura, framboesa e groselha em expressão quase cristalina. Longo e fino na boca, mostrou sempre bem mais intensidade que corpo, taninos finos, óptima fluidez, grande equilíbrio e quase completa ausência de doçura.

Está muito bom. Não fará sentido guardá-lo mais tempo.

12€.

17

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Conventual '2008

Continuo a escrever sobre vinhos correntes. Enfim, são os que bebo. Este, alentejano de Portalegre, foi produzido pela Coop. local a partir de uvas Aragonês, Trincadeira e Alicante Bouschet. Nesta colheita, a produção, consta, ascendeu aos 920000 litros.

.
.

Cor rubi. Claramente unoaked. Centrado em fruta madura, escura, livre de arestas, sem falta ou excesso de madurez, acidez ou taninos. Típico vinho para uso quotidiano, correcto, enfim, com alguma personalidade, até. Curto e simples, mas intenso e saboroso, evoluiu para notas de chocolate.

Acompanhou bôla.

3€.

14

domingo, 5 de dezembro de 2010

Primavera — Baga '2005

Varietal Baga produzido pelas Caves Primavera. A informação que o produtor disponibiliza online indica que estagiou dois meses em barricas de carvalho americano.

.
.
.

É um Baga mais vegetal que o costumeiro, também mais suave, pouco intenso e persistente, embora tenha mostrado algum corpo. Vivo e de certo modo tenso, como habitualmente se espera dos exemplares que têm origem na casta, mas estranhamente maduro e pouco concentrado. Na boca fez lembrar, enfim, água. Valer-lhe-á o bom equilíbrio entre as partes, mas, mesmo assim, não convenceu.

3€.

13

sábado, 4 de dezembro de 2010

Terranova — Close the Door


Foi o primeiro álbum deles.

.
.
.
.
.
.
.

#12, Midnight Melodic.

Canta uma gaja do rap, quem diria.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Quinta da Murta — Arinto '2009

Arinto de Bucelas, fermentou em inox e estagiou em garrafa até ao dia em que foi aberto — anteontem. O produtor tem presença online.

Do contra-rótulo, gosto da referência à taça de charneco em Henry VI:

"1st Neigh. Here, neighbour Horner, I drink to you in a cup of sack: and fear not, neighbour, you shall do well enough.

2nd Neigh. And here, neighbour, here's a cup of charneco.

3rd Neigh. And here's a pot of good double beer, neighbour: drink, and fear not your man."

(W. Shakespeare, ca. 1590.)

Passando ao vinho, nariz essencialmente cítrico, mas também rico em sugestões florais, talvez madressilva, e de frutos de polpa branca, pêra, líchia, com tão discreta como inequívoca presença vegetal, a fazer lembrar rama de tomateiro. Cheio de sabor, apresenta-se seco, com reminiscências salinas, algum corpo e muito boa acidez. O final é médio. Simples, mas bem conseguido. Tal como este, convenceu.

5€.

15,5

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

The Raven

Once upon a midnight dreary, while I pondered weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
"'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door —
Only this, and nothing more."

Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; — vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow — sorrow for the lost Lenore —
For the rare and radiant maiden whom the angels named Lenore —
Nameless here for evermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me — filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
"'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door —
Some late visitor entreating entrance at my chamber door; —
This it is, and nothing more,"

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you" — here I opened wide the door; —
Darkness there, and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the darkness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore!"
This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!"
Merely this and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice;
Let me see then, what thereat is, and this mystery explore —
Let my heart be still a moment and this mystery explore; —
"Tis the wind and nothing more!"

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore.
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door —
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door —
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
"Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven.
Ghastly grim and ancient raven wandering from the nightly shore —
Tell me what thy lordly name is on the Night"s Plutonian shore!"
Quoth the raven, "Nevermore."

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning — little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door —
Bird or beast above the sculptured bust above his chamber door,
With such name as "Nevermore."

But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only,
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered — not a feather then he fluttered —
Till I scarcely more than muttered "Other friends have flown before —
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
Then the bird said, "Nevermore."

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore —
Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
Of "Never—nevermore.""

But the raven still beguiling all my sad soul into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore —
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
Meant in croaking "Nevermore."

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushio's velvet lining that the lamp—light gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamp—light gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore!

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose foot—falls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee — by these angels he has sent thee
Respite — respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
Quaff, oh quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!"
Quoth the raven, "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil! — prophet still, if bird or devil! —
Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted —
On this home by horror haunted — tell me truly, I implore —
Is there — is there balm in Gilead? — tell me — tell me, I implore!"
Quoth the raven, "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil! — prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us — by that God we both adore —
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels named Lenore —
Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels named Lenore?"
Quoth the raven, "Nevermore."

"Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked upstarting —
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken! — quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
Quoth the raven, "Nevermore."

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamp—light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted — nevermore!


Edgar Allan Poe, 1845

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Marquês de Marialva '1987

Baga e Castelão. O contra-rótulo fala de nobreza e indica "vinificação tradicional com curtimenta e estágio prolongado em garrafa" — prolongado, sim, sem dúvida.

Cor acastanhada. Como uma vez li, sinal de plenitude nos grandes vinhos. Uma vez aberto, libertou agressivo e estranho cheiro. Volátil, a posteriori, porque se volatilizou. Deixando, por um momento, fruta em compota, passas, pele, vinagrinho. Tudo muito fraquinho, mas interessante. O pior é que os cheiros desagradáveis não tardaram a crescer, mofo e estábulo, e tanto que levá-lo à boca foi como que uma prova de dedicação. E na boca é Baga, ou melhor, nota-se que foi Baga. De alguma forma ainda vagamente anguloso, mas completamente vazio e avinagrado. Morto.

Estes, normalmente, não são publicados. Fica em jeito de curiosidade, que o rótulo da altura era mais fixe que o usado hoje em dia.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Porta Velha (Valle Pradinhos) '2008

D.O.C. Trás-os-Montes, foi elaborado no Casal de Valle Pradinhos a partir de Tinta Roriz e Touriga Nacional provenientes de vinhas novas. Embora não tenha conseguido apurar nada de concreto sobre a natureza do estágio a que o terão submetido, presumo que tenha tido alguma forma de passagem por madeira.

Cor rubi. Nariz de frutos silvestres, maioritariamente vermelhos, sumarentos e bem definidos, a par com algum álcool solto e sugestões abaunilhadas. O paladar é suculento, de porte médio, curto mas bem estruturado, ligeiramente taninoso. Muito apelativo, bebe-se bem a solo. Na minha humilde opinião, está para a sua terra como este para a dele.

4€.

15

domingo, 28 de novembro de 2010

Velharias (28)

31/12/2003, 2h15

The fact that I'll never fit in makes me want to die.


31/12, 4h56

Levantei-me em sobressalto, acordado por uma gaja de cabelo vermelho, um familiar, um crime, uma fuga, uma voz que me gritava dentro da cabeça: "Salpicos de fogo! São as lágrimas de Moloch! São as lágrimas de Moloch!"


31/12, 5h23

Desordem. Que palavra bela! Tratemo-la bem.


31/12, 5h25

E para lá de todas as aspirações, o vazio. E depois do vazio, vem a paz — uma festa de contornos sentidos. Uma não-busca; o que é talvez não necessite assim tanto de uma razão de ser.


31/12, 5h38

Deuses! Proto-essências que necessitam de um sentido para existir. Não se procuram, encontram-se. Nada fazem para se revelar; descobrem-se quando a necessidade de um sentido se vê por quaisquer outros meios insatisfeita; quando, para lá de todas as trivialidades, sobra aquele elemento comum a todas as coisas que todos sentimos de vez em quando, mas cujo nome pertence a uma língua há muito perdida. As manifestações de deus podem ter todo e qualquer nome: quando nada é verdadeiro, tudo é permitido. Ensinaram-nos a adorar ídolos, pastores de pedra que prendem ao invés de libertar, supostos todo-poderosos mais ou menos livres de corpo. Castraram-nos com a terrível objectividade da única realidade possível; tudo o resto foi condenado à irrelevância. Concepções, realidades, necessidades — escapes. Não matámos deus nenhum, por mais desnecessário que fosse. Só os homens vivem e morrem, e com eles os seus mundos.

sábado, 27 de novembro de 2010

Porta da Ravessa (Branco) '2009

Lote de Roupeiro, Arinto e Fernão Pires, produzido e engarrafado pela Adega Coop. de Redondo. Consta que dele se encheram 2,5 milhões de garrafas.

Redondo, intensamente tropical, de travo adocicado, com algum corpo e persistência. Apesar de vagos traços de evolução, tem uma frescura ainda suficiente. É um vinho correcto, embora não diga muito.

Acompanhou um snack rápido, baseado em ovos cozidos e vegetais.

2€.

13,5

Castelo Rodrigo — Síria '2008

Depois deste e deste, outro varietal Síria da zona de Figueira de Castelo Rodrigo. Foi vinificado em inox, a temperatura controlada, tendo terminado a fermentação em barricas de carvalho francês com remontagem das borras finas. Abri a garrafa nº 8944 de 13500 produzidas.

Cor como na foto. Nariz discreto, tropical, a evocar ananás, maracujá, banana seca e papaia, junto com vagas notas, doces e pesadas, reminiscentes de citrinos muito maduros, algo como tangelo "minneola" misturado com kumquat. Tem corpo médio em dimensões e firmeza, para o que muito contribui uma boa dose de acidez verde, excessiva para o gosto convencional, talvez, isto se tal coisa realmente existe. O álcool está bem integrado. No mais, é curto e apresenta agulha residual.

Não desgostei; fiquei curioso quanto a como virá a ser daqui a dois anos.

4€.

15

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

As últimas palavras de Dutch Schutz — para separar garrafas fotografadas sobre fundos diferentes.

Na noite de 23 de Outubro de 1935, o gangster Dutch Schultz (Arthur Flegenheimer), o seu contabilista Otto "Abbadabba" Berman, e dois guarda-costas, Bernard "Lulu" Rosencrantz e Abe Landau, encontravam-se no interior do Palace Chophouse, em Newark, quando dois pistoleiros do Sindicato, Emmanuel "Mendy" Weiss e Charles "The Bug" Workman, os atacaram a tiros de revólver. Schultz foi atingido quando se encontrava na retrete, os outros três estavam sentados a uma mesa, ao fundo do restaurante. Apesar de gravemente feridos, retornaram fogo, obrigando os atacantes a fugir. Foram transportados, ainda com vida, para o Newark City Hospital. Schultz durou até ao dia seguinte. Moribundo, delirou em voz alta durante horas, enquanto a polícia lhe tentava extrair informações. Um estenógrafo, F. J. Lang, apontou o que foi dito.

(Schultz) — Has it been in any other papers? George, don't make no foul moves. What have you done with him? Oh, mama, mama, mama. Oh stop it, stop it; eh, oh, oh. Sure, sure, mama. Now listen, Phil, fun is fun. Ah please, papa. What happened to the sixteen? Oh, oh, he done it, please. John, please, oh, did you buy the hotel? You promised a million sure. Get out. I wished I knew. Please make it quick, fast and furious. Please. Fast and furious. Please help me get out; I am getting my wind back, thank God. Please, please, oh please. You will have to please tell him, you got no case. You get ahead with the dot dash system didn't I speak that time last night. Whose number is that in your pocket book, Phil 13780. Who was it? Oh, please, please. Reserve decision. Police, police, Henry and Frankie. Oh, oh, dog biscuits and when he is happy he doesn't get happy please, please to do this. Then Henry, Henry, Frankie you didn't even meet me. The glove will fit what I say oh, Kayiyi, oh Kayiyi. Sure who cares when you are through? How do you know this? How do you know this? Well, then oh, Cocoa know thinks he is a grandpa again. He is jumping around. No Hobo and Poboe I think he means the same thing.

(Sgt. Conlon) — Who shot you?

R. The boss himself.

Q. He did?

R. Yes, I don't know.

Q. What did he shoot you for?

R. I showed him boss; did you hear him meet me? An appointment. Appeal stuck. All right, mother.

Q. Was it the boss shot you?

R. Who shot me? No one.

Q. We will help you.

R. Will you help me up? O.K. I won't be such a big creep. Oh, mama. I can't go through with it, please. Oh, and then he clips me; come on. Cut that out, we don't owe a nickel; hold it; instead, hold it against him; I am a pretty good pretzler — Winifred — Department of Justice. I even got it from the department. Sir, please stop it. Say listen the last night!

(Sgt. Conlon) — Don't holler.

R. I don't want to holler.

Q. What did they shoot you for?

R. I don't know, sir. Honestly I don't. I don't even know who was with me, honestly. I was in the toilet and when I reached the — the boy came at me.

Q. The big fellow gave it to you?

R. Yes, he gave it to me.

Q. Do you know who this big fellow was?

R. No. If he wanted to break the ring no, please I get a month. They did it. Come on. (A name, not clear) cut me off and says you are not to be the beneficiary of this will. Is that right? I will be checked and double-checked and please pull for me. Will you pull? How many good ones and how many bad ones? Please I had nothing with him he was a cowboy in one of the seven days a week fight. No business; no hangout; no friends; nothing; just what you pick up and what you need. I don't know who shot me. Don't put anyone near this check you might have — please do it for me. Let me get up. heh? In the olden days they waited and they waited. Please give me a shot. It is from the factory. Sure, that is a bad. Well, oh good ahead that happens for trying. I don't want harmony. I want harmony. Oh, mamma, mamma! Who give it to him? Who give it to him? Let me in the district — fire factory that he was nowhere near. It smoldered No, no. There are only ten of us and there ten million fighting somewhere of you, so get your onions up and we will throw up the truce flag. Oh, please let me up. Please shift me. Police are here. Communistic. . . strike. . . baloney. . . honestly this is a habit I get; sometimes I give it and sometimes I don't. Oh, I am all in. That settles it. Are you sure? Please let me get in and eat. Let him harass himself to you and then bother you. Please don't ask me to go there. I don't want to. I still don't want him in the path. It is no use to stage a riot. The sidewalk was in trouble and the bears were in trouble and I broke it up. Please put me in that room. Please keep him in control. My gilt edged stuff and those dirty rats have tuned in. Please mother, don't tear, don't rip; that is something that shouldn't be spoken about. Please get me up, my friends. Please, look out. The shooting is a bit wild, and that kind of shooting saved a man's life. No payrolls. No wells. No coupons. That would be entirely out. Pardon me, I forgot I am plaintiff and not defendant. Look out. Look out for him. Please. He owed me money; he owes everyone money. Why can't he just pullout and give me control? Please, mother, you pick me up now. Please, you know me. No. Don't you scare me. My friends and I think I do a better job. Police are looking for you allover. Be instrumental in letting us know. They are English— men and they are a type I don't know who is best, they or us. Oh, sir, get the doll a roofing. You can play jacks and girls do that with a soft ball and do tricks with it. I take all events into consideration. No. No. And it is no. It is confused and its says no. A boy has never wept nor dashed a thousand kim. Did you hear me?

Q. (Detective) — Who shot you?

R. I don't know.

Q. How many shots were fired?

R. I don't know.

Q. How many?

R. Two thousand. Come one, get some money in that treasury. We need it. Come on, please get it. I can't tell you to. That is not what you have in the book. Oh, please warden. What am I going to do for money? Please put me up on my feet at once. You are a hard boiled man. Did you hear me? I would hear it, the Circuit Court would hear it, and the Supreme Court might hear it. If that ain't the pay-off. Please crack down on the Chinaman's friends and Hitler's commander. I am sore and I am going up and I am going to give you honey if I can. Mother is the best bet and don't let Satan draw you too fast.

Q. (Detective) — What did the big fellow shoot you for?

R. Him? John? Over a million, five million dollars.

Q. You want to get well, don't you?

R. Yes.

Q. Then lie quiet.

R. Yes, I will lie quiet.

Q. John shot and we will take care of John.

R. That is what caused the trouble. Look out. Please let me up. If you do this, you can go on and jump right here in the lake. I know who they are. They are French people. All right. Look out, look out. Oh, my memory is gone. A work relief police. Who gets it? I don't know and I don't want to know, but look out. It can be traced. He changed for the worse. Please look out; my fortunes have changed and come back and went back since that. It was desperate. I am wobbly. You ain't got nothing on him but you got it on his helper.

(Detective) — Control yourself.

R. But I am dying.

(Detective) — No, you are not.

R. Come on, mama. All right, dear, you have to get it.

Nesta altura, a esposa, Frances, foi trazida para a sua beira.

(Sra. Schultz, mãe de D.S.) — This is Frances.

Schultz recomeçou:

Then pull me out. I am half crazy. They won't let me get up. They dyed my shoes. Open those shoes. Give me something. I am so sick. Give me some water, the only thing that I want. Open this up and break it so I can touch you. Danny, please get me in the car.

Nesta altura, a Sra. Schultz abandonou o quarto.

(Sgt. Conlon) — Who shot you?

R. I don't know. I didn't even get a look. I don't know who can have done it. Anybody. Kindly take my shoes off. (He was told that they were off.) No. There is a handcuff on them. The Baron says these things. I know what I am doing here with my collection of papers. It isn't worth a nickel to two guys like you or me but to a collector it is worth a fortune. It is priceless. I am going to turn it over to... Turn you back to me, please Henry. I am so sick now. The police are getting many complaints. Look out. I want that G-note. Look out for Jimmy Valentine for he is an old pal of mine. Come on, come on, Jim. Ok, ok, I am all through. Can't do another thing. Look out mamma, look out for her. You can't beat him. Police, mamma, Helen, mother, please take me out. I will settle the indictment. Come on, open the soap duckets. The chimney sweeps. Talk to the sword. Shut up, you got a big mouth! Please help me up, Henry. Max, come over here. French-Canadian bean soup. I want to pay. Let them leave me alone.

Consta que perdeu a consciência nesta altura; morreria de peritonite duas horas depois. A transcrição foi originalmente publicada no New York Times de 26/Out/1935.

Porta dos Cavaleiros — Reserva '2007 Touriga Nacional

Monocasta Touriga Nacional estagiado em madeira, produto das Caves S. João.

.
.

Frutos silvestres e bergamota predominam num vinho de perfil aromático fino, sólido e sóbrio, com o seu quê de delicado, até. Ligeiro floral ajuda a compor. Um bocadinho de barrica, idem. Por momentos, fez-me lembrar este. Na boca é fresco e sumarento, de corpo mediano, com secura que não ofende. A madeira, resinosa, nota-se um pouco mais que no nariz. O final é médio/curto. Com a exposição ao ar cresceram sugestões achocolatadas.

Como os dos enoposts anteriores, não precisou de plastificar para ser fácil — respeito isso.

6,50€.

16

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Trash Palace — Positions

"Shiny, shiny, shiny boots of leather
Whiplash girlchild in the dark
Clubs and bells, your servant, don't forsake him
Strike, dear mistress, and cure his heart"





#5, Venus in Furs, feat. Cozette. À data, será o meu cover favorito do grande clássico dos velvets. Mas todo o álbum é montes de fixe, aliás, não percebo como não se ouve falar mais dele.



terça-feira, 23 de novembro de 2010

Quinta de Saes '2007

Touriga Nacional e Alfrocheiro com 12 meses de estágio em carvalho francês de segundo ano. O sítio web do produtor — link — encontra-se, finalmente, a funcionar em pleno.

.
.

Moderno. Do rótulo ao núcleo de frutos silvestres, vermelhos, bem maduros, super sugestivos. Notam-se-lhe flores e um pouco de madeira, ligeiro cheiro a carne crua, algum cacau com o arejamento. Na boca é curto e intenso, guloso sem ser doce, vivo, firme e só um bocadinho duro.

Muito engraçado.

4€.

15

domingo, 21 de novembro de 2010

Quinta das Camélias — Reserva '2007

Touriga Nacional (50%), Tinta Roriz (25%) e Alfrocheiro da Quinta das Camélias — Sabugosa, Tondela.

.
.

É um vinho de cor rubi, corpo médio e sabor fino, delicado, com frutos negros e baunilha, assim, directos, sem surpresas, sem segredos, fruta do Dão e baunilha de madeira nova, menos impositiva que no monocasta TN da casa, mesmo não desprezando que já lá vai quase um ano, frescor, alguma estrutura, idem para a secura, leve aresta que não amarga, flores, menos que no seu vinho irmão supra referido, terra e acidez, presente, actuante, mas não vincada, que se espraia ao longo de um bom final.

5€.

16

sábado, 20 de novembro de 2010

Quinta do Poço do Lobo — Espumante Bruto '2006

Bairradino das Caves São João. Foi elaborado pelo método clássico, a partir de uvas Chardonnay e Arinto, provenientes da quinta que lhe dá o nome.

.
.

Cor a dourar. Cheirinho lêvedo. . . flores e um pouco de maçã verde. Poadas, nuvens densas de bolhas finas e uniformes, mousse leve e seca à superfície. Na boca, reminiscências de Alka-Seltzer, massas cruas de pão e bolos, mais maçã verde, ou amarela. É pequeno e delicado, mas fresco e cheio de vida. Gostei.

6€.

15,5

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

I am sad
I feel that the future is hopeless and that things cannot improve
I am bored and dissatisfied with everything
I am a complete failure as a person
I am guilty, I am being punished
I would like to kill myself
I used to be able to cry but now I am beyond tears
I have lost interest in other people
I can't make decisions
I can't eat
I can't sleep
I can't think
I cannot overcome my loneliness, my fear, my disgust
I am fat
I cannot write
I cannot love
My brother is dying, my lover is dying, I am killing them both
I am charging towards my death
I am terrified of medication
I cannot make love
I cannot fuck
I cannot be alone
I cannot be with others
My hips are too big
I dislike my genitals


At 4.48
when depression visits
I shall hang myself
to the sound of my lover's breathing

I do not want to die

I have become so depressed by the fact of my mortality that I have
decided to commit suicide

I do not want to live

I am jealous of my sleeping lover and cover his induced
unconsciousness

When he wakes he will envy my sleepless night of thought and
speech unslurred by medication

I have resigned myself to death this year
Some will call this self-indulgence
(they are lucky not to know its truth)
Some will know the simple fact of pain

This is becoming my normality

Sarah Kane, 4.48 Psychosis

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Quinta do Infantado — Vintage '2007

Estava a precisar de beber um Vintage jovem, cheio de fruta :)

.

Tinha cá este. N/2686 de 6071 garrafas produzidas.

.

Escuro. Denso. A princípio, quase impenetrável, com a frescura "verde" característica do ano de 2007. Depois, a fruta, vermelha e negra, e em passa, deliciosa, com toque especiado. É um vinho amplo, gordo, senhor de uma bela estrutura de taninos doces. Longo, mas não interminável.

Está magnífico. Gostei muito mais deste agora que do bom '2003 quando o provei — mas, mais uma vez, agora estava a precisar.

20€.

18,5

Blume — Verdejo '2009

Varietal Verdejo elaborado por Pagos del Rey, Rueda (Valladolid). As uvas, diz-se, foram colhidas durante a noite e fermentaram a 16ºC, tudo em nome de maior frescura. Não passou por madeira.

Cor citrina. Montes de cheiro a limão e erva-príncipe, colhões de sabor a maracujá. A acidez é incisiva, o resto cumpre. Vagamente mineral — mineral onde? Final curto e limpo. Outro de que, não tendo desgostado, também não tenho muito a dizer.

Vale a pena, isso sim, mencionar o prato que ele acompanhou — empadão de espinafres. Cozi em vapor de água salgada quase 1 Kg de filetes de pescada. Usei dos congelados e não os cozi muito, já vão perceber porquê. Também a vapor, mas abafados em recipiente de vidro, no micro-ondas, cozi 600g de espinafres, também congelados, daqueles que vêm em cubos. Temperei ambas as partes com alho em pó e azeite, e trasladei-as para dentro de um tabuleiro: peixe em baixo, espinafres por cima. Polvilhei o topo da camada de espinafres com um pouco de sal, mais uns grânulos de alho em pó, que nunca é de mais, adi um fio de azeite e cobri com uma camada de mozzarella. No topo, pão ralado. Foi ao forno a 230ºC, até a capa dourar.

5€.

14,5

domingo, 14 de novembro de 2010

«Um homem muito célebre, que era ao mesmo tempo um grande tolo, coisas que andam muito bem juntas, ao que parece, como mais de uma vez terei, sem dúvida, o doloroso prazer de demonstrar, ousou, num livro sobre a Mesa, composto do duplo ponto de vista da higiene e do prazer, escrever o que se segue no artigo VINHO: "O patriarca Noé passa por ser o inventor do vinho; é um licor que se faz com o fruto da vinha".

E que mais? Mais nada: é tudo. Por mais que folheeis o volume, que o vireis em todos os sentidos, que o tenteis ler de trás para diante, da direita para a esquerda e da esquerda para a direita, nada mais encontrareis sobre o vinho na Fisiologia do Gosto do ilustríssimo e respeitadíssimo Brillat-Savarin: "O patriarca Noé..." e "é um licor..."

Suponho que um habitante da Lua ou de qualquer outro planeta afastado, viajando pelo nosso mundo, e cansado das suas longas jornadas, pensa em refrescar o palato e aquecer o estômago. Quer pôr-se ao corrente dos prazeres e dos costumes da nossa terra. Ouviu vagamente falar de licores deliciosos com os quais os cidadãos desta esfera alcançavam à vontade coragem e alegria. Para estar mais certo da escolha, o habitante da Lua abre o oráculo do gosto, o célebre e infalível Brillat-Savarin, e ali encontra, no artigo VINHO, esta informação preciosa: O patriarca Noé... e este licor faz-se... Absolutamente digestivo. Muito explicativo. É impossível, depois de ter lido esta frase, não ter uma ideia justa e clara de todos os vinhos, das suas diferentes qualidades, dos seus inconvenientes, da sua força no estômago e no cérebro.

Ah! caros amigos, não leais Brillat-Savarin, Deus defenda aqueles que gostam de leituras inúteis, é a primeira máxima de um livrinho de Lavater, um filósofo que amou os homens mais do que todos os magistrados do mundo antigo e moderno. Nenhum bolo foi baptizado com o nome de Lavater; mas a memória deste homem angélico viverá ainda entre os cristãos, quando até os bons burgueses já tiverem esquecido o Brillat-Savarin, espécie de brioche insípido cujo menor defeito é servir de pretexto a uma taramelice de máximas tolamente pedantes tiradas da famosa obra-prima.

Se uma nova edição dessa falsa obra-prima ousa afrontar o bom senso da humanidade moderna, bebedores melancólicos, bebedores alegres, vós todos que procurais no vinho a lembrança ou o esquecimento, e que, não o achando nunca bastante completo para vosso gosto, só contemplais o céu pelo fundo da garrafa, bebedores esquecidos e ignorados, ireis vós comprar um exemplar e pagareis o mal com o bem, a indiferença com o bem-fazer?

Abro a Kreisleriana do divino Hoffmann, e nela leio uma curiosa recomendação. O músico consciencioso deve servir-se do champanhe para compor uma ópera cómica. Nele encontrará a alegria espumante e ligeira que o género reclama. A música religiosa pede vinho do Reno ou de Jurançon. Como no fundo das ideias profundas, há neles um amargo inebriador; mas a música heróica não pode dispensar o vinho de Borgonha. Tem a gravidade fogosa e o arrebatamento do patriotismo. Melhor do que tudo, e além do sentimento apaixonado de um bebedor, vejo aqui uma imparcialidade que muito honra um Alemão.

Hoffmann traçara um singular barómetro psicológico destinado a representar-lhe diferentes temperaturas e os fenómenos atmosféricos da sua alma. Nele se encontram divisões como estas: espírito ligeiramente irónico temperado de indulgência; espírito de solidão com profundo contentamento de mim mesmo; alegria musical; entusiasmo musical, tempestade musical, alegria sarcástica insuportável a mim mesmo, aspiração a sair do meu eu, objectividade excessiva, fusão do meu ser com a natureza. Escusado será dizer que as divisões do barómetro moral de Hoffmann eram fixadas segundo a sua ordem de geração, como nos barómetros comuns. Parece-me que há entre este barómetro psíquico e a explicação das qualidades musicais dos vinhos uma fraternidade evidente.

Hoffmann, no momento em que a morte o levou, começava a ganhar dinheiro. A fortuna sorria-lhe. Como o nosso caro e grande Balzac, foi só nos seus últimos tempos que viu brilhar a aurora boreal das mais antigas esperanças. Por essa altura, os editores, que disputavam os contos dele para os seus almanaques, tinham por costume, para lhe ganharem as boas graças, juntar à remessa de dinheiro uma caixa de vinhos de França.»


'n Les Paradis Artificiels, Charles Baudelaire, 1860,
trad. por José Saramago, 1971.

Gaião '2009

Alentejano da Companhia das Quintas, lote de Aragonês, Trincadeira, Alfrocheiro e Alicante Bouschet, parcialmente estagiado em madeira.

.
.

Cor rubi. Frutos pretos, compota, cacau e madeira. Macio e envolvente, cálido, com 14% de álcool, de final curto. Sem surpresas, não possui qualquer traço de individualidade. É daqueles vinhos Coca-Cola que o enosnob despreza. Provando-o às cegas, poder-se-á dizer dele, com razoável certeza, que "é Alentejo" — não mais. Enfim, um vinho barato, simples, correcto e saboroso, para consumo quotidiano.

3€.

14

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Dona Berta — Reserva "Vinha Centenária" '2006

Da Quinta do Carrenho — Freixo de Numão. O produtor tem presença na web. Foi feito com uvas de uma vinha plantada em altitude e muito velha, com mais de cem anos, composta por cepas de castas já pouco vistas — Cornifesto, Bastardo, Casculho e outras. Fermentou em cuba de inox, sob a acção de leveduras seleccionadas, tendo depois estagiado em barricas de carvalho francês durante sete meses. Depois disso, retiraram-no para uma cuba inox, onde passou ainda outro ano, tendo sido engarrafado em Abril de 2008. Coube-me a garrafa nº 2511 de 2833 produzidas.

Primeiro dia, após hora e meia de arejamento em decantador: Concentrado, com boa madeira que aparenta estar a integrar-se. A fruta predomina, negra, um pouco pesada, talvez também em passa, complementada por notas de anis, verniz, alcaçuz e violetas. Muito balsâmico quando agitado, sem chochice ou calidez. Mineral, apresenta bom volume de boca e maciez agradável. Equilibrado, embora a dar para o pesadote. Final médio/longo. Com a evolução no copo vêm sugestões de caramelo de nata e chocolate.

Segundo dia: quase só fruta — groselha, suculenta, levemente terrosa e apimentada. Mais límpido, mas também mais simples que no dia anterior. Tenso, com óptima acidez. Neste momento, parece-me inequívoco que terá ainda uns anos de evolução positiva pela frente.

Lembro-me do dia em que o comprei. Estava sol, um calor que não se podia. Entrei vestido de fubu na garrafeira, calado, phones nos ouvidos, a rondar as prateleiras. Sob olhares vigilantes, não fosse dar-me para roubar alguma coisa. Mentira — já estavam fartos de me ver por lá. E quase nunca tinha falado com o pessoal da casa: deus sabe o que me custa mostrar um bocadinho de receptividade aos de fora, pelo que é fácil manter a carapaça de porco-espinho amargurado, que afasta, mas nesse dia levei com um "o meu amigo percebe de vinho!" jovial, quase contente, acho que do dono. Então pensei "oh, foda-se, um barrete, um mono, e ainda por cima caro, querem ver?" e vim-me embora fodido da vida, embora sem protestar, claro, porque sou um atrofiado. Não, claro que não, sempre me atenderam bem, seria uma besta se o fizesse. Aliás, jamais me passaria tal coisa pela cabeça. E eu não sou atrofiado.

35€.

17

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Filmes (22)




Mi — Ela vai matar.
Eu — Vai?

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Altano '2008

Da Symington. Composto por 75% de Tinta Roriz e Touriga Franca. Antes de engarrafado, parte do lote passou por barricas usadas de carvalho francês e americano.

Curto mas muito saboroso, muito cativante, mantém a receita dos anos anteriores, com a fruta silvestre do costume a servir de base a um conjunto sugestivo, marcado por notas características da Touriga Franca, apimentadas e florais. Algum álcool solto. No entanto, a boca tem frescura e revela a austeridade de um vinho que, embora jovial, é sério. Que não brilha, mas cumpre bem. E isto, tendo em conta o preço, só se pode considerar fantástico.

É possível que para o ano esteja melhor, dadas as similaridades com o de 2007, que tenho tido a oportunidade de beber nos últimos tempos.

2,69€ — ainda.

15,5

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Herdade das Pias — S&T '2008

Produzido pela FNF Soc. Vinícola, Lda. — Cuba / Beja.

Syrah & Trincadeira. As uvas, provenientes de vinhas novas, com seis anos, fermentaram em inox após desengace total. O vinho resultante estagiou durante seis meses em barricas de carvalho francês (80%) e americano.

Rubi escuro, não opaco. Frutos negros, flores, álcool e especiarias, traços de caramelo, compota e mentol definem um vinho tipicamente alentejano, de nariz doce e palato seco, com algum corpo e boa acidez, já macio, de final bastante prolongado.

Guloso, mas sério e bem feito. Será especialmente adequado para cativar jovens bebedores.

12€.

15,5

domingo, 7 de novembro de 2010

sábado, 6 de novembro de 2010

Bétula '2009

Da Quinta do Torgal. Viognier e Sauvignon Blanc (50/50). Fermentou em madeira e inox. Encheram-se 3000 garrafas.

.
.

Cor citrina. Pêras e espargos no nariz, boca consonante. Mais discretas, notas de acácia e madressilva, mel e fumo. Tudo na devida proporção. É um vinho limpo, fresco, intenso e elegante, impecavelmente não doce, de final médio/longo. Um belo branco, tanto a 10 como a 14ºC.

Ainda melhor que o do ano passado.

O PVP rondará os 15€.

17,5

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Vale de Ancho '2004

Alentejano de Montemor-o-Novo, produzido pela Soc. Agrícola Gabriel Francisco Dias & Irmãs, Lda. Fica o elo para o espaço deles na web. Aragonês e Alicante Bouschet. Estagiou durante 8 meses em barricas de carvalho francês.

.
.
.

Raçudo, agradavelmente austero, mais intenso que propriamente encorpado, com excelente acidez e taninos gordos. Boa fruta, negra, densa, no ponto ideal de madurez, e boa madeira, ainda não completamente integrada. Um toque de especiarias e, com o ar, chocolate e caramelo de nata. Longo e saboroso, desde já revela um interessante compromisso entre firmeza e suavidade, embora deva continuar a afinar em garrafa.

30€.

17,5

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Death Cab for Cutie — We Have the Facts and We're Voting Yes


We spread out and occupy the cracks in the urban streets / Idle now: I rearrange the furniture as you sleep, as you sleep, as you sleep.

It's so appropriate: the way we amplify the sound, / and then the neighbours drop by and ask us to turn it down again.

We spread out and everyone is frightfully more aware / So impressed: The cocktail politics and obscure details.

And it was true that I was truly failing / But you were gone and I was home / Calling around, but nothing was found worthwhile.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Adega Cooperativa de Vila Flor — Moscatel do Douro '2000


Moscatel do Douro produzido pela Adega Cooperativa de Vila Flor. L.MVF02000. Estagiou em cascos de carvalho.

Cor de âmbar. O cheiro fez-me lembrar certas pastilhas de melão, com forma, cor e cheiro de melão doce, forçado, artificial, que tanto prezava quando era puto, à mistura com mel de acácia, flores e passas de uva, com laivos de frutos secos. Oh, foda-se, torpe tentativa esta de descrever um Moscatel típico, de doçura média, com algum tempo de garrafa! Redondo na boca, apesar de pender para a ligeireza. Comprido qb. Doooce, com 19% de álcool e acidez quase suficiente. . .

Enfim, Moscatel! Alguns poderão dizer que é um vinho meio abichanado, ao passo que outros não hesitarão em chamar-lhe néctar — não sendo necessário que alguém esteja a faltar à verdade.

Foi T que trouxe.

15,5