domingo, 24 de janeiro de 2010

Penfolds — Bin 389 Cabernet + Shiraz '1997

"... is a traditional multi-regional Australian blend, combining the elegance of Cabernet Sauvignon with the richness of Shiraz". Estagiou durante 13 meses em cascos de carvalho americano, alguns dos quais foram utilizados para estagiar o Grange da colheita anterior. Quem quiser pode consultar aqui uma cópia da sua ficha técnica.

Granada escuro, com halo acastanhado. Intenso de cheiros e sabores, surge dominado por aromas terciários — massas de pastelaria e frutos secos, verniz, sal, iodo e couro. Ainda apresenta notas de tomate e ameixa, ainda se lhe notam traços especiados, mas a maior parte da densa fruta apimentada dos seus dias de juventude foi-se. No entanto, continua a mostrar-se gordo e raçudo, senhor de uma estrutura de respeito. Termina razoavelmente longo e complexo, deixando atrás de si um interessante leque de sensações resinosas a fazerem lembrar sândalo, mirra e outros que tais, bem como uma ligeira doçura residual (passe a redundância). Questões etárias e de género à parte, confesso que apenas lhe estranhei a acidez tão vibrante, desenquadrada por excesso no ataque à boca, que me chegou a fazer pensar se a garrafa teria algum problema — isto durante a prova propriamente dita e no início da refeição que se lhe seguiu. Mas a partir daí as coisas compuseram-se, pelo que o alegado problema não seria mais que falta de arejamento.

Apesar de a colheita de 1997 ter sido relativamente fraca na região e consequentemente este não poder ser considerado um dos melhores exemplos de "Baby Grange", trata-se, indubitavelmente, de um bom vinho. Evoluiu com consistência e, embora possa já ter passado o apogeu, ainda aparenta ser capaz de dar muito prazer a quem o beber durante esta sua última caminhada. Custou 18€ na Garrafeira Nacional — preço deveras cordato, pelo menos tendo em conta estes dados proporcionados pelo Wine Searcher.com.

16,5