terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Velharias (18)

Posso agradecer ao meu priminho querido ter-me ensinado este precioso haiku. Assim reza:


Que eu não seja corno.

Se for, que não o saiba.

Se souber, que não me importe.


7/2/2005