sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Outono de Santar '2005

Colheita tardia de uvas botritizadas, cem por cento Encruzado, estagiado durante um ano em barricas novas de carvalho americano. Como mandam as regras, foi servido a 10ºC em copos Riedel Sommeliers Black Tie, mod. Loire de 3½ dl primeiro a acompanhar o caderninho negro da desgraça e depois, em jeito de entrada, com foie gras e mini tostas.

As impressões que recolhi podem resumir-se ao seguinte: Dourado, da cor do Outono. Macio e delicado, apenas vagamente doce, a fazer lembrar ananás e manga, citrinos amargos e frutos secos, tudo envolvido por fino manto melado. De estrutura e acidez em justo equilíbrio, termina bonito, embora não muito persistente.

Não sendo fã do género — sou daqueles que não gostam nem desgostam —, tenho de reconhecer que este é um exemplar bem razoável, vendido a um preço bastante conveniente: cerca de 10€.

15,5