quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Velharias (19)

maldição cruzada, v.1



lívidas ceifeiras
adultas —

que a vida
mesquinha
vomitará de repente

cães na areia
que passeavam
o Dogma
a ânsia
o Cristo

que lateja e palpita
com o sopro do outono
e vem bater nos vidros
correndo —
à procura da bestialidade
a mais insuspeita
Luz!

despreza, diz ela
despreza quem não merece
o trabalho de desprezar

— compreendo

vícios de ontem, virtudes de hoje,
disse-se —

vícios de hoje, virtudes de amanhã —

direi?

ditoso
quem tão rico como estúpido
ou mais estúpido do que rico
sossega
nossa efémera passagem

e assim
condenado
esconde
da mágoa
e enche
a saudade

e o que vejo
és tu,
liberdade.


p.s.

merda, escrita assim, na horizontal, merda é.

porém,

por vezes,
escrever merda
na vertical
é bem capaz
de funcionar.



12/Jan/2005