domingo, 12 de setembro de 2010

Luís Pato — Vinha Barrosa '2003

Bairradino da autoria do celebrado Luís Pato, proveniente de uma única vinha, onde as videiras, com mais de 80 anos, todas da casta Baga, se encontram implantadas em solo argilo-calcário e rodeadas por uma floresta de pinheiros e eucaliptos. Fermentou em cubas, a temperatura controlada, tendo depois estagiado durante um ano em madeira, nova e usada, de carvalho Allier.

Granada escuro. Aqui, o porte varietal impõe-se a um relato baseado em descritores comuns. Este vinho sabe e cheira a Baga. A dada altura, o nariz é quase só fruta. Ameixa suculenta e bosque: morango, amora, cassis, o verde resinoso das agulhas de pinheiro — ou eucalipto? — terra, castanhas, folhas mortas, cogumelos. . .

Simultaneamente fino e austero, é possuidor de uma estrutura notável, taninos numerosos, vagamente empoeirados, um pouco rústicos, e muita acidez. Durará mais uns anos, mas está muito bom agora. Uma vez, faz já algum tempo, li algures que o Qta. de Foz de Arouce VVSM seria o mais borgonhês dos tintos portugueses. Concordei até provar este.

Empurrou um valente bife.

30€.

18