terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Poeira '2005

Do contra-rótulo: Não quis ficar na rudeza da sua terra e procurou na fineza o seu próprio carácter. O autor, Jorge Moreira, tem presença na internet. Proveniente de uma típica vinha velha duriense, com várias castas misturadas, foi vinificado em lagares de pedra e estagiou durante 16 meses em barricas de carvalho francês, 30% das quais, novas.

Intenso, ou melhor, opulento, cheio de frutos silvestres vermelhos e negros, a par com ligeiro fumado e especiarias. Fragrante e saboroso, é neste momento um vinho gordo mas simultaneamente tenso, senhor de uma notável estrutura de taninos doces, equilibrada por excelente acidez. Tudo nele está bem medido, mas não lhe vou chamar elegante: seria cair num lugar-comum. O final, longo, é seco e mineral — e ainda assim consegue trazer consigo sugestões de caramelo de leite. Sem mais delongas, este vinho está uma delícia, sendo perfeitamente possível que ainda venha a melhorar.

30€.

18