domingo, 12 de dezembro de 2010

Quinta do Infantado '2008

Foi vinificado em lagar e engarrafado, sem filtração, em Maio de 2010, após estágio em cuba e barricas de carvalho — o contra-rótulo indica que permaneceu dez meses nestas últimas: para apurar o tempo passado em inox, bastará fazer as contas. Abri a garrafa nº 19604 de 29807 (e 202 magnum) produzidas.

Morangos e framboesas, sangue, carne, pêlo, almíscar, resina, fumo. Madeira inequívoca, mas bem medida. Flores, bergamota e limão em segundo plano, após algum arejamento. Este vinho cheira, de facto, muito bem. Na boca é vivo e seco, de intensidade, peso e persistência apenas medianos, e ainda um pouco duro, mas em bom equilíbrio. Surgiu como que mais maduro, mais tourigão ao segundo dia, com reminiscências terrosas e de químicos aromáticos. Nada oxidado. Por isto, fará sentido ir acompanhando a sua evolução na próxima meia dúzia de anos. Antes do costumário par "preço / numerozinho da qualidade", restará dizer que gostei muito mais deste que do de 2006.

8,50€.

16,5