sábado, 5 de março de 2011

Quinta da Ponte Pedrinha '2008 (Branco)

Citação pertinente, ou porque é que mesmo assim mudam certas coisas que sempre pareceram bem:

"People generally — and inexperienced men always — are more easily moved by the hope of gain than by the danger of loss. And yet the contrary should be true, for the desire to keep is more natural than the desire to gain. The reason for the mistake is that, ordinarily, hope is stronger than fear. Men easily allay their fears, even when they are warranted; and hope, even when there is no hope."Francesco Guicciardini, Maxims and Reflections of a Renaissance Statesman, Harper & Row, 1965, trad. para o inglês por Mario Domandi.

Como da circuntância envolvente estamos falados, pelo menos que chegue para um post, vamos ao vinho. Foi feito com Arinto, Cerceal e Encruzado da quinta que lhe dá o nome. Não terá passado por madeira. Simples e agradável. O cheiro, pouco doce, limonado, trouxe consigo musgo e humidade. Na boca, de fundo levemente melado, notou-se alguma acidez, mas também alguma complexidade. O final, curto. Bastante bom com pães de queijo, a meu ver (a S. achou execrável).

4€.

15