sexta-feira, 3 de Junho de 2011

Robustus '2004

Vinho especial para ocasião especial. Acerca desta última, silêncio. O tempo em que o blogue do pobre pequeno J era um livro aberto há muito que acabou. Não valia a pena. Quanto ao vinho, na ficha técnica que o produtor disponibiliza na internet, pode ler-se que

"O nome Robustus presta tributo ao primeiro vinho de Dirk Niepoort, feito em 1990 com o mesmo nome e que nunca foi comercializado. A inspiração do Robustus 2004 é essencialmente baseada em grandes vinhos tradicionais italianos, nos quais o estágio prolongado em madeira velha é utilizado para suavizar os taninos presentes"

e mais à frente,

"Na verdade, a vinificação não foi feita a pensar no Robustus, e neste lote encontram-se vinhos fermentados com macerações mais longas, mas também uma pequena percentagem em lagar. Foi depois de 18 meses de estágio em barrica que se escolheram 2 lotes de vinhos pela acidez e estrutura tânica para um estágio mais prolongado em tonéis de madeira usada, de 1500 lts."

A matéria prima proveio de vinhas com idades entre 60 e mais de 100 anos e o produto final foi engarrafado quatro anos após a colheita.

Quando se abre uma garrafa destas, as expectativas são necessariamente altas. E desta vez, aliás, mais uma vez, não foram defraudadas. Esperava algo extraordinário e foi isso mesmo que encontrei, um vinho aveludado, complexo sem ser confuso, cheio de cheiro e sabor, e fresco, muito bem balanceado. Os frutos silvestres, vagamente ácidos, os apimentados, o mato fresco, com o seu quê de herbáceo e de floral também, o mato seco, rasteiro, do Douro, a terra, a tosta de grande qualidade, enfim, tudo limpo, bonito e bem conjugado. O fim de boca, muito longo, trouxe consigo evocações de caramelo de leite e café. Robustez, tem. No entanto, quis parecer-me um vinho, acima de tudo, elegante. Ainda mais que este.

60€.

19