quarta-feira, 27 de julho de 2011

Porta da Ravessa '2008

Oi gente, saudades?

Primeiro elemento de uma série de vinhos francamente proletários, este tinto da Adega Coop. de Redondo foi feito com uvas das castas Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet e Castelão, entre outras, presentes em menor quantidade, pelo menos a acreditar na informação oferecida pelo contra-rótulo. Nos últimos anos, o volume produzido tem superado de forma consistente os 8 milhões de garrafas, pelo que não surpreende que tenha sido pensado para viver sem a ajuda de estágio em madeira.

Da prova em si, boa cor, alguma fruta, vermelha e preta, indefinida, esmaecida, como que diluída, mas, numa toada mais positiva, bem madura, sem excessos. Algum vegetal, alguma acidez, fugacidade qb. Sem defeito, mas fraco.

Para terminar, fica a nota de que esta Porta da Ravessa foi glorificada supermarca nos já longínquos idos de 2004. Aqui para nós, e perdoem-me a abordagem ao mesmo tempo simplista e espinhosa, marca é marca, vinho é vinho, e não se tratando de coisas completamente imiscíveis, defenderão os do ramo que muito pelo contrário, aliás, não percebo, de todo, como é que a primeira consegue ser tão boa e o segundo tão... pois, isso.

2,80€.

13