quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Fiuza — Três Castas '2010

Eis uma marca de que tenho andado afastado. Ela que foi presença assídua à minha mesa na altura em que comecei a interessar-me por vinho. Que me lembre, cumpriu sempre. Mas, com o tempo, outras propostas lhe tomaram o lugar. Num mercado tão diversificado, acaba por tornar-se inevitável. De qualquer forma, há dias, a caminho de casa, em passagem rápida pelo supermercado, ocorreu-me trazê-lo. O rótulo mudou e o lote também: parece que substituíram o Aragonês por Syrah.

Foi vertido directamente da garrafa. Continua o tinto jovem de que me lembrava, simples, macio e relativamente pouco extraído, de graduação alcoólica discreta — 12,5%. Quase exclusivamente frutado, assenta em bagas silvestres, vermelhas e pretas, em bom ponto de madurez, com um toque de fumo a compor. Também algum vegetal, mas (provavelmente) menos que o que me habituei a encontrar nos Três Castas da primeira metade da década de 2000. Face ao último deles que aqui publiquei, não existiu surpresa, e ainda bem.

4€.

15