quinta-feira, 12 de Abril de 2012

Periquita — Reserva '2009

Lê-se no comunicado de imprensa com que fizeram acompanhar a garrafa:

"A história do Periquita remonta ao início da própria história da José Maria da Fonseca, quando o fundador da empresa, o Senhor José Maria da Fonseca, comprou, por volta de 1846, a propriedade Cova da Periquita. Foi nessa propriedade, hoje em dia quase engolida pelo desenvolvimento urbano, que José Maria da Fonseca plantou as primeiras uvas da casta Castelão, que ele próprio havia trazido da província do Ribatejo.

O vinho produzido na Cova da Periquita desde logo provou ser o melhor da região, dando origem a que os outros proprietários pedissem a José Maria da Fonseca varas daquela casta para plantarem nas suas próprias propriedades. Desta forma, o vinho tornou-se conhecido em Azeitão como o vinho da Periquita, passando a ser comercializado pela José Maria da Fonseca como Periquita."

Castelão, Touriga Nacional e Touriga Franca; a respectiva ficha técnica pode consultar-se aqui. Primeiro dia: vertido directamente no copo a aproximadamente 16ºC, talvez um pouco menos. Cor avermelhada, de concentração mediana. Nada de mais a acompanhar peru assado: apesar de pronto a beber, pareceu-me algo fechado, quase só mostrou frutos pretos e madeira, e esta, não se mostrando em demasia, ligeiramente desenquadrada. Na boca, redondez, peso médio, taninos maduros. Final satisfatório, no entanto. Pernoitou no frigorífico, à espera do dia seguinte.

Segundo dia: melhor. Fruta doce, bonita, ginja e amora, mais da primeira que da segunda. Madura, mas sem sinais de transformação. Globalmente bem dimensionado, com frescura mais que razoável e só um pouco de tosta de barrica no final. Resumindo, trata-se de um vinho redondo, frutado, fácil, desenhado num estilo consensual. Em retrospectiva, não me pareceu muito diferente dos seus predecessores das colheitas de 2004 e 2005, que já passaram por estas páginas.

A garrafa foi gentilmente cedida pelo produtor, que recomenda um PVP de 7,99€.

16