sábado, 2 de junho de 2012

Messias — Selection, Bairrada '2010 (Branco)

Blog parado, falta vontade. Na verdade, não tenho tido vontade de fazer absolutamente nada. Será cansaço? Aborrecimento? E pensar que a dada altura julguei que uma rotina tão bem estabelecida que por vezes eu mesmo me interrogo se não será resultado de alguma forma de horror à surpresa seria o caminho simples, de certa forma necessário, para acabar por conseguir viver em paz! E depois abordar o assunto, a melancolia que arrasta! Dirijo-me à prateleira de velharias digitais que fui acumulando ao longo dos anos, encontro um pedaço de certo blog antigo de que gostava — "A rustle in the bushes leaves me curious. What lurks there in Bret's backyard? What is lurking there in my mind? Do I or we ever really know the shadows that mask reality? No. Do we have to? There is always some other meaning behind a meaning. And this leaves me tired and hoping for sleep again. Rest. Stillness that is never found. This is my life under the stars and sounds of the night." Bem, aí fica outro vinho. É por eles que aqui vêm.

Bairradino das Caves Messias, aparenta consistir num varietal Maria Gomes engarrafado sem passagem por madeira. Muita maçã verde, tanto no nariz como na boca. Seco e vivo, mostrou notas de goiaba, açúcar mascavado, tabaco, chocolate e licor de café. Apesar do final relativamente curto, gostei dele logo desde o primeiro gole.

Se bem me recordo, custou à volta de 3€.

16