quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Coldfinger — Beauty of You

Sempre gostei de X. Não me arrogando a adivinhar ao pormenor a alma daqueles que comigo partilham ou partilharam momentos, arriscaria dizer, no entanto, que sempre lhe percebi uma enorme resignação, de tal forma que aparentava procurar viver em círculos, como se cada dia fosse por si só uma vida, sem passado e sem futuro. Ele dizia que só queria que o deixassem em paz, deixar toda a maluquice em que vivíamos e ter um casebre e uma horta, ver as couves crescer. Bem vistas as coisas, talvez X apenas quisesse poder viver no campo, comer, dormir e foder, como, aliás, qualquer outro animal. Quem poderia censurá-lo por isso?

Essa sua presença pacífica e complacente, aliada a possuirmos alguns interesses em comum, fazia dele um óptimo companheiro, sobretudo quando não apetecia andar em bolandas. Eram noites geralmente sem brilho, que provavelmente seriam de depressão caso me encontrasse só. Noites de loucura introspectiva, como começámos a chamar-lhes, a dada altura. Esta loucura introspectiva é coisa que vive connosco, mas não há como a registar. Sente-se num dado momento e por norma sabe bem, mas não perdura na memória por não ser algo que se pense. Evoco X neste momento e apenas consigo chamar reflexos daquilo que por vezes sentia quando discutíamos algo que nos fazia vibrar.

Tal como eu, X não se importava de ir ficar triste para lugares agradáveis, entre pratinhos de broa com queijo e taças de cerveja. Um dos nossos poisos favoritos era o Dixie: pouca gente, álcool de qualidade e um aquário, tudo imerso em luz azulada e música um bocado fora das escolhas habituais, mesmo em lugares do género, o que, de todo, não desagradava. Mais tarde fui lá com a S, mas por algum motivo ela não ficou fã do lugar. Depois descobri que tinha fechado.

Certa noite, discutíamos um pesado problema matemático, coisa completamente fora do nosso alcance, mas por isso mesmo especialmente apelativa aos jovens cromos que éramos na altura, ainda cheios de vontade. Era um dos problemas com que o famoso Ulam contribuiu para o chamado Livro Escocês, que na verdade nasceu polaco, numa terra que agora faz parte da Ucrânia. Enfim.

O enunciado era algo como: se um sólido permanecer em equilíbrio, independentemente da posição em que se encontrar, sobre uma superfície plana e horizontal, terá de ser necessariamente uma esfera? E X a tentar, com uma folhita, acho que um guardanapo, e eu a leste, a reparar na música. Lembro-me de ter pensado "eia, que coisa" quando o barman me disse ser produto nacional. Um dia, descobri que havia um videoclip. Com o tempo, esta noite e este pedaço de música de que vos falo, e o bom velho Stan Ulam também, foram-se diluindo no volumoso repositório de conhecidos fixes que alguém que viva nesta época inevitavelmente acaba por reunir. Hoje, assim de repente, lembrei-me.