quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Celeda — The Underground

No princípio, ficava mesmerizado com a aparência que as coisas tomavam sob as luzes das casas da noite. Fascinavam-me especialmente as luzes UV, que faziam as coisas brancas parecer ter luz própria e davam um aspecto peculiar aos fumos e partículas de cinza de tabaco que pairavam, suspensos, sobre a pista de dança.



L' é um sentimento. Frio, sem grandes características. Não frio como um gelado, mais como um sorvete, mas menos frio, esmagado ao ponto de ficar com uma consistência quase líquida, e a escorrer-me pelos miolos abaixo. Um sorvete azul e branco — como o casaco que costuma usar — que vem em camadas sobrepostas e alternadas. Curiosamente, o branco mistura-se no azul pois há camadas de azul muito mais claro que o original, enquanto o branco permanece branco. O branco mistura-se com o azul tornando-o mais claro, mas continua a ser branco, imaculado. O azul perde parte do seu carácter.