sexta-feira, 30 de maio de 2014

Chimay Bleue / Grande Réserve

Escura. Logo depois de vertida, bastou olhar para a capa que se havia formado no copo para perceber estar perante coisa séria.

Espuma espessa, de cor bege, fofa, firme e persistente. O ataque, intenso e vagamente alcoolizado, coisa normal numa cerveja com 9% de volume, encheu-me a boca de caramelo e passas de uva e tâmara, figo e outros que tais. Esta apenas trouxe coisas boas. A bolha ligeira, o sabor rico, o corpo largo e untuoso — tudo coisas de cerveja grande e sem falhas.

Notei que lhe faltava distinção naquele amargor característico do lúpulo e que por norma me cai bem, certamente por opção de estilo, e que, pelo menos desta vez, não terá feito grande falta.

Muito complexa, ainda parecia longe da morte quando acabei a garrafa, uma boa hora e meia depois de a ter aberto, e sempre sem rolha. 9€/75cl.