domingo, 6 de setembro de 2015

Quinta do Infantado '2009

Primeiro de dois bons Douro que bebi nesta semana que passou, este tinto de Gontelho, Sabrosa, é composto por 30% de Touriga Franca, 30% de Touriga Nacional, 30% de Tinta Roriz e 10% de outras castas típicas da região, daquelas que frequentemente se encontram misturadas, nas vinhas velhas.

Fermentou em lagar, após pisa a pé das uvas parcialmente desengaçadas, e fez a maloláctica em cuba, onde parte do volume final continuou o seu envelhecimento, o restante estagiado em barricas de carvalho, de diversas origens e idades, até ao engarrafamento, em Abril de 2011.

Vertido directamente da garrafa, a caminho dos seis anos, continua intenso, rico em frutos negros, muito maduros, em passa e em licor, com álcool presente e ligeiro toque oxidativo. Madeira, muito pouca, e terciários, idem. O tempo no copo leva-o no sentido do chocolate, e é só.

Mais guloso que o de 2008, apesar de toda a generosidade que evidencia, sem dúvida potenciada pelo calor que transmite o álcool e que alguns confundem com alegria, apresenta-se seco ao paladar, como esperado, os taninos mais macios que quando nos conhecemos. Persiste razoavelmente.

Bebi boa parte dele sozinho, mas é vinho para levar para a mesa, com carne.

9€.

16