sábado, 3 de outubro de 2015

Castello D'Alba — Vinhas Velhas, Grande Reserva '2012

As uvas, de castas misturadas na vinha, com predominância de Touriga Nacional, Tinta Amarela, Tinta Barroca, Tinta Francisca, Tinta Roriz, Touriga Franca e Sousão, mas presença de outras, provêm de cepas com mais de 40 anos de idade, plantadas no Douro Superior, a uma altitude média de 350 metros, sendo as parcelas escolhidas em função da colheita, refere o produtor no seu sítio da internet. Estagiou em barricas de carvalho francês, novas e usadas, durante ano e meio.

Ainda jovem, mas já pronto a beber, está um tinto fino e macio, bastante concentrado mas nem por isso pesado, capaz de transmitir uma envolvência muito agradável sem nunca se tornar morno ou chato, e que termina longo e saboroso. No nariz, a par da fruta negra (cerejas e?) bem madura, muitos tostados e fumados, e ainda aquela panóplia de aromas químicos e florais que é comum encontrar em durienses de vinhas velhas, ricos em tourigas: da violeta ao verniz, passando pelo álcool, a baunilha e mais tarde, após basta evolução no copo, chocolate de leite.

Tendo reparado ser daqueles vinhos que frequentemente colocam em destaque — e em promoção — nos supermercados "Continente", comprei-o meio desconfiado, apesar da boa experiência que um branco da mesma casa e gama proporcionou recentemente. Mas é, de facto, um bom vinho, ainda capaz de melhorar qualquer coisa nos próximos três ou quatro anos, integre-se ele com o tempo, como promete.

9€.

16,5