quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Compañía de Vinos Telmo Rodríguez — LZ '2013

Estava a 14ºC no copo quando começámos, palavra de termómetro digital. Antes, meia hora de arejamento em decantador. Mais enfático no nariz que na boca, é muito frutado — "tão morangueiro!" — e rico em especiarias também. Os cheiros e sabores aparecem limpos, os taninos têm nervo e a acidez existe em quantidade suficiente para que não subsista calidez.

E está muito bem dimensionado, com uma fluidez que permite encarar a sua basta dose de concentração, sem o peso que habitualmente se lhe associa! Assim justifica a falta daquele extra de profundidade e persistência que são necessárias num grande vinho: face à dádiva da natureza, foi feito deliberadamente fácil, coisa que não consigo deixar de achar uma óptima opção de design.

Riojano de Lantziego de Álava, é uma das opções de entrada do produtor. Foi feito com Tempranillo, Garnacha e Graciano, dizem que a apontar à maneira dos vinhos tradicionais da região, nos anos 20 do século passado: fermentou por acção de leveduras autóctones, em depósitos de cimento, onde permaneceu uns meses, até ser engarrafado.

Bebi com pizza de base fina e estaladiça, feita em casa, generosa no queijo e nos orégãos, e coberta com cubinhos de fiambre (acho o da marca própria do ECI, da perna, satisfatoriamente próximo do "Libra", que adoro, mas não encontro à venda aqui), cogumelos frescos e azeitonas pretas, oxidadas, daquelas de que muita gente que escreve sobre comida gosta de dizer que não gosta.

7€.

16