domingo, 24 de janeiro de 2016

Vallado '2014 (Branco)

Estou a conseguir não vir aqui com enorme facilidade, outra vez. Virá aí modorra?

Em todo o caso, o dia 24/1/2016 começou luminoso, o céu quase limpo, com muito sol. Talvez o dia mais bonito do mês, até ver. Um Domingo de eleições!

Não fomos lá. Acordámos tarde, joguei um bocadito na net, fomos para a cozinha. A S apareceu com uns hambúrgueres de vegetais que me pareceram bastante engraçados; talvez venha a falar mais deles aqui, no futuro.

Com esses hambúrgueres bebemos Vallado branco, servido frio, directo da garrafa, sem preocupações. Focado, incisivo q.b. no ataque ao nariz, essencialmente cítrico e floral; depois instalou-se certa tropicalidade. Agradável, mas, definitivamente, não muito amplo.

Melhor na boca, mostrou-se bem fresco, equilibrado e persistente, apesar de algo ligeiro de substância. Sem encantar, tem o seu interesse.

Fundada em 1716, a Quinta do Vallado situa-se pouco antes da foz do Corgo, junto de Peso da Régua — mais em concreto, aqui. É uma quinta histórica do Douro que tem conseguido, com regularidade, colocar no mercado propostas de excelente relação custo-benefício, ainda que não objectivamente baratas.

Este branco que, se a memória não me atraiçoa, pouco difere deste seu antecessor de 2010, é um dos básicos da casa, vinificado em bica aberta, com fruta de vinhas novas, predominantemente Arinto, Códega, Gouveio, Rabigato e Viosinho, e engarrafado sem passar por madeira.

6€

16