sexta-feira, 10 de junho de 2016

Adega do Sossego '2014

A Adega do Sossego é um restaurante de cozinha tradicional, situado no lugar do Peso, freguesia de Paderne, perto das Termas de Melgaço, de onde vem uma água gasocarbónica que não conhecia e muito me agradou, óptima alternativa à das Pedras, na hora de acompanhar o café. Mas isso são outros quinhentos, que não é de água que aqui se trata, mas de vinho.

E o citado restaurante tem vinho, não só dos outros, mas também de produção própria: um espumante, um tinto feito a partir da casta Vinhão e um branco tranquilo, este varietal Alvarinho, sobre o qual pouco encontrei escrito, certamente dado a produção ser inteiramente escoada no restaurante e a nível local, e que, testado, correspondeu e até superou as expectativas.

No copo, cor palha, ainda clarinha. Abriu discreto, talvez por estar um pouco mais fresco que o recomendável, repleto de flor de camomila e aquilo que me pareceu raspa de limão, mas depois cresceu e transfigurou-se em laranja doce e sua casca. Gordito na boca, com toque mineral e muito bom compromisso entre frescor e untuosidade, terminou bastante persistente e sem qualquer nota doce, apesar do sugerido pelos aromas.

E se com peixes grelhados não me surpreendeu que se portasse bem, achei realmente notável como manteve a forma e complementou, sem quaisquer problemas, os sabores fortes e a gordura de parceiros à partida bem mais complicados, como o pequeno almoço do "dia seguinte", com queijo Abondance em pão de cereais ancestrais, do Pingo Doce, e Schwarzwälder Schinken com melão.

Em suma, apesar de simples, é um vinho bonito, em estilo "unoaked", que prima pelo equilíbrio e é compatível com muitas comidas!

7€.

16