domingo, 11 de setembro de 2016

Kopke — Reserva '2011 (Branco)

Ainda melhor que o Quinta de la Rosa do post de 5/9, com o qual possui inevitáveis semelhanças, foi este Kopke "Reserva", bebido no mesmo dia.

Arrefecido na porta do frigorífico, verti-o num decantador imediatamente antes de servir.

Directo ao assunto, que grande presença! A pureza, a força, a persistência!

Com quase cinco anos de idade e 14% de volume alcoólico, surpreendeu de tão fresco, a madeira perfeitamente integrada.

Limpos e muito bonitos, aromas de menta e erva-cidreira a envolver a fruta, que me recordou banana e pêssego. Mais doces, florais e abaunilhados em fundo.

Grandes são as alegrias que estes brancos "Reserva" proporcionam quando vivem o suficiente para integrar a madeira onde se fizeram, sem amochar!

Fermentado e estagiado em carvalho francês, teve origem nas castas Viosinho, Arinto e Folgazão — que também já vi escrito Folgasão, regionalismos durienses para o Terrantez.

Acompanhou um frango de churrasco extraordinário.

12€.

17,5