domingo, 4 de dezembro de 2016

Cedro do Noval '2011

Este tinto vem da Quinta do Noval, propriedade mítica, situada perto de Vale de Mendiz.

Bastante macio e persistente, entra comedido, mais vai-se desdobrando em sabor à medida que persiste.

Muito guloso, tem um toque na boca que usualmente associo a Douro de boa estirpe, de vinhas velhas — ligeiramente lácteo, amanteigado também — e bebe-se num ápice.

Acompanhou bem uma porção de "beef pizzaiola" cozinhado no slow cooker, mas foi à sobremesa que brilhou, acompanhado de chocolate preto (Hussel, com 70% de cacau, e Valor, deste).

Com ambos pareceu emanar uma nuvem etérea de lavanda e bergamota, antes e depois, mas não sobre a fruta — escura: amora bem nítida e outros que tais — com que se foi prolongando na boca.

Ademais, vagamente carnento, com ligeiros sinais de evolução.

Levou 20% de Syrah — curioso. Mas este não se destaca do nem no conjunto, que mantém o carácter de um bom multivarietal do Douro, já com a madurez advinda de cinco anos em garrafa: sem dúvida, num óptimo momento para ser consumido.

12€.

16,5