quinta-feira, 6 de abril de 2017

Château La Grange d' Orléan '2012

Tal como este Haut-Landon, que foi trazido do mesmo supermercado, o vinho de que trata o presente é um Blaye-côtes-de-bordeaux engarrafado por SAS Robin, que o Guide Hachette des vins et champagnes introduz assim:

Jean-François Réaud a repris en 1983 le vignoble du grand-père, créé en 1904 sous le nom de Domaine du Grand Moulin; il l'a largement restructuré et modernisé, et lui a donné le nom plus flatteur de "château".

Constituem o lote 70% de Merlot, 20% de Cabernet Sauvignon e Franc, e 10% de Malbec, provenientes da vinhas de Annette Venancy, de Saint-Androny.

Savory, não fruit forward, com tabaco e especiarias em evidência.

Fresco e equilibrado, é "médio menos" em termos de presença, apenas firme o suficiente para não se desvanecer no nada . . . Agradável, mas sem grande história.

Embora Bordéus bom e barato não seja miragem, há que garimpar muito e a maior parte do que fica na peneira é cascalho.

Acompanhou cubos de pá de porco, estufada no slow cooker durante 12h, mais coisa menos coisa.  Mesmo no tempo quente, um prato que me sabe sempre bem.

4€.

14,5