terça-feira, 30 de maio de 2017

Fattoria di Fèlsina Berardenga — Chianti Classico Riserva "Rancia" '2010

Fèlsina está localizada no extremo sudeste da denominação Chianti Classico, entre as últimas esporas das colinas de Chianti e o início do vale de Ombrone. São 600 ha de terra, dos quais 95 plantados com vinha.

Este Rancia, proposta de categoria "reserva" do produtor, vem do vinhedo homónimo, situado na comuna de Castelnuovo Berardenga (este pdf contém um mapa que mostra as localizações das diferentes vinhas da exploração).

Trata-se de um monocasta Sangiovese, fermentado em inox, com maceração, durante 16 a 20 dias, a temperaturas entre 28 e 30°C. Em Março ou Abril do ano seguinte ao da vindima, o vinho novo é transferido para barricas novas de carvalho francês, onde estagia de 18 a 20 meses, antes de loteado e engarrafado.

Abri a garrafa e provei. Logo me passou pela mente o facto de, em função das circunstâncias, nos podermos deparar com vinhos menores que nos sabem pela vida e grandes vinhos que desapontam. Mas depois de basto arejamento, toda a tarde em decantador, as coisas mudaram.

E se, ao jantar, já não parecia o monólito de potencial por realizar que se mostrara antes, tão tenso e concentrado quanto objectivamente pobre em cheiro e sabor, exemplo perfeito de um vinho fechado, nunca deixou de parecer ter mais para dar que o mostrado no momento.

"Muito Chianti", trouxe consigo cereja amarga, framboesa e bagas pretas sobre fundo de barrica, esta sem fumo nem baunilha, coisa estranha para quem consome vinhos portugueses 99 em cada 100 vezes: estes cheiros não são cá da terra, faltam termos de comparação.

A complexidade? Anis estrelado, folha de tabaco, cabedal. Flores. Violetas, mas nada como as da nossa Touriga. Nem melhores nem piores, diferentes: mais terra, menos perfume. E moca, deliciosa, a espreitar no final.

Foi assim que este vinho longo e super limpo, com a acidez considerável que se espera dos bons exemplares do género, acabou por me cativar, apesar de ser daqueles vinhos que, reitero-o, não têm tendência para arrancar exclamações de espanto.

Ademais, apesar de ainda ter muitos anos pela frente, encontra-se já numa fase bastante abordável, dê-se-lhe tempo para se soltar — e esquecidas as expectativas, projecções pessoais para o futuro que, como aqui me pareceu ser o caso, muitas vezes não têm muito de concreto a que se agarrar. . . indubitavelmente agradável.

A S. não lhe perdoou a circunspecção, mas a S. gosta de alentejanos ricos.

35€.

18