sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Quinta dos Termos — Espumante Bruto, Fonte Cal '2013

O nosso consumo de espumante aumentou consideravelmente no último ano por ser dos poucos vinhos que é possível beber com a S. — por outras palavras, dos poucos que ela ainda aceita. Ao mesmo tempo, se primeiro os estranhava, fui aprendendo, com o tempo, a gostar deles, talvez por familiaridade, e agora afirmo, sem qualquer reserva, que um bom espumante me cai bem.

O de que cuida o presente post, branco e bruto, da colheita de 2013, foi feito exclusivamente com a casta Fonte Cal, o que o torna uma espécie de raridade: haverá mais algum no mundo com tal predicado?

No nariz, primeiro, dei conta de flores brancas e amarelas, rasteiras — ragadíolos, malmequeres e outros que tais, junto com o que me pareceu ser o cheiro de leveduras frescas. Depois, sugestões esmaecidas, claro está, mas límpidas no sentido de que sugeriam o que sugeriam e não poderiam sugerir outra coisa qualquer: jeropiga, ginja e o recheio daqueles infames bombons da Ferrero que são comercializados sob a marca "Mon Cheri".

Ao mesmo tempo, ia-se fazendo notar fresco e seco, seco não só no sentido da ausência de doçura, mas também na textura, coisa difícil de descrever, que me sinto inclinado a deitar no fundo saco da mineralidade. Só que nem tudo são flores: a bolha podia ser mais viva e fina, a mousse podia ser mais fofa, e o final, engraçado pelas notas de pistácio que trouxe consigo, muito mais persistente.

Enfim! Original, é. Interessante, também. Mas não muito mais que isso.

8€.

15,5