sexta-feira, 6 de abril de 2018

Adega de Pegões — Cinquentenário '2008

Este tinto foi criado com o objectivo de celebrar os 50 anos da Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões, constituída por Alvará de 7 de Março de 1958, assente em terras anteriormente doadas (em 1937) por José Rovisco Pais aos Hospitais Civis de Lisboa. Hoje em dia, o produtor é dos mais consistentes de Portugal, tanto no volume de vinho produzido como na sua relação qualidade-preço.

Feito a partir de Syrah, Castelão, Cabernet Sauvignon e Trincadeira, estagiou, um ano, em meias pipas de carvalho.

Denso e intenso, mostrou predominância de fruta escura, como amora silvestre, ameixa e groselha negra, com o carácter de basta madurez — e alguma compota — que costuma marcar os bons tintos das areias de Palmela. Com ela, tostados e fumados de barrica . . . nem vincados nem discretos . . . enfim, em retrato comum — é esta muito imprecisa terminologia a que me parece melhor descrever o que me mostrou. Algumas especiarias, algum vegetal . . . Embora presente, muito vago o toque melado do Castelão.

Na boca, volume e estrutura. Digo: não sendo um monstro, pareceu-me pesar qualquer coisa. O paladar, seco. A acidez, mediana, vá, suficiente, com os taninos a surgirem já redondos. Persistiu bastante longamente, com um pós-gosto que trouxe consigo notas de café e chocolate.

É um bom vinho, sem dúvida, mas não está a anos-luz do "Colheita Seleccionada", digamos, comum, da casa, e custou quase três vezes mais.

Acompanhou um misto de naquitos de vaca e porco, salteados em óleo de sésamo e azeite, acompanhados de courgette grelhada e quinoa com agaricus frescos, shiitake maduro, orelha-de-judas reidratada e pimento vermelho. À sobremesa, por via das dúvidas, veio uma tábua de queijos com a qual a sua prestação não me fez voltar atrás no anteriormente dito.

12€.

16