quarta-feira, 9 de maio de 2018

Odelouca '2013

Situada não muito longe de Silves, no Sítio da Dobra, junto à ribeira de Odelouca e à povoação com o mesmo nome, a Quinta do Francês inclui 8 hectares de vinha, plantada em 2002 e que assenta sobre vários tipos de solo, da argila/calcário ao xisto. O clima, Mediterrâneo continental, com propensão a dias quentes e noites comparativamente frias, é influenciado pela brisa marítima do Atlântico, cuja acção "refrescante" ajuda a evitar sobrematurações.

Este Odelouca é uma espécie de "segundo vinho" da casa, nascido a partir de Cabernet Sauvignon, Trincadeira, Syrah e Aragonês. De acordo com a informação disponibilizada pelo produtor, a vinificação deste 2013 incluiu 18 dias de maceração e 8 de fermentação, em inox, a 30 ºC. O estágio prévio ao engarrafamento foi em barricas de carvalho francês, "9 a 12 meses".

Bastante intenso e envolvente, mostrou ameixa preta e muitas especiarias, com uma incidência incomum, mas interessante, em aromas que remetiam a azeitona, parda e de Kalamata — talvez do Syrah, e longe de defeito, feitio e feitio vincado. A boca surgiu como continuação natural do nariz, embora sem qualquer sabor que remetesse à já mencionada azeitona. Especiarias, sim, muitas, perfeitamente integradas num quadro delineado em torno daquela maturidade peculiar que, nos vinhos capazes de durar alguns anos, antecede a velhice: com ligeira calidez e muita harmonia.

Quando o bebi, terminei o que tinha apontado sobre ele com a nota "um pequeno grande vinho". Porque não?

8€.

16,5